Daniel Teixeira/AE
Daniel Teixeira/AE

Pérola Negra faz desfile emocionante e de superação

Última escola a desfilar na primeira noite do carnaval paulistano, a Pérola Negra fez uma apresentação emocionante do início ao fim. Os passistas entraram na passarela contagiados pelo esforço em superar os estragos causados por duas enchentes neste verão que comprometeram duas alas e uma alegoria. No entanto, a agremiação da Vila Madalena conseguiu refazer boa parte do trabalho perdido e mostrou boa evolução e tranquilidade para terminar o desfile.

Wladimir D Andrade, Agência Estado

05 Março 2011 | 13h59

A escola de samba da zona oeste de São Paulo contou no sambódromo a história de Abraão, figura importante para as três principais religiões monoteístas do mundo – o cristianismo, o judaísmo e o islamismo.

Antes de entrar na passarela, já esvaziada por conta do horário – eram 7h10 quando os portões se abriram -, a emoção já era visível entre os integrantes da Pérola Negra. O presidente Edílson Carlos Casal tomou o carnaval deste ano como um desafio pessoal. Ele citou sua mãe, Constança Beatriz Casal, que faleceu há cerca de um ano, e disse que iria provar a ela que pode fazer da agremiação campeã do carnaval paulistano.

Já no fim do desfile, quando a os passistas entoavam gritos de “é campeão”, ele classificou a apresentação como “perfeita”. “Ela vai ver lá de cima”, disse, ao ser perguntado se iria cumprir a promessa de levar a Pérola Negra ao seu primeiro título.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.