Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Período seco tem início com alta no Sistema Cantareira

Manancial subiu 0,1 ponto porcentual nas últimas 24 horas, na 46ª alta seguida; média histórica de chuva para abril é de 88,7 mm.

Vitor Tavares, O Estado de S. Paulo

01 de abril de 2016 | 09h47

SÃO PAULO - No primeiro dia do considerado período seco na Grande São Paulo, o Sistema Cantareira continua melhorando seu índice de armazenamento de água, de acordo com relatório divulgado pela Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp), nesta sexta-feira, 1º. Considerando o volume morto como volume útil, o manancial alcançou 65,5%, 0,1 ponto porcentual a mais do que o dia anterior; desconsiderando essa reserva extra, o Cantareira opera com 36,2%, também subindo 0,1 ponto porcentual. 

A média histórica de chuvas para abril no Cantareira é de 88,7 milímetros, muito abaixo do que foi registrado em março deste ano: 179,6 milímetros. Nas últimas 24 horas, não choveu na região do Cantareira, mas há mais de cinco meses que o manancial não registra perda no volume de água represada - a última queda foi em 22 de outubro, quando o nível baixou de 15,7% para 15,6%. A alta desta sexta é a 46ª seguida para o reservatório.

No Sistema Guarapiranga, que também não registrou chuva, a queda no armazenamento foi de 0,3 ponto porcentual. O manancial, utilizado durante a crise hídrica como alternativa ao Cantareira, opera agora com 87,3%. O Sistema Alto Tietê se manteve estável, com 43,2%, completando seis dias sem registrar alta.

No último dia 7 de março, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) decretou o fim da crise hídrica em São Paulo, afirmando que a questão da água estava "resolvida".

Outros mananciais. Os sistemas Rio Grande e Rio Claro diminuíram o armazenamento de água nas últimas 24 horas. O Rio Grande baixou 0,1 ponto porcentual, trabalhando com 96,5% da capacidade; o Rio Claro tem 102,2%, 0,4 ponto porcentual a menos do que o dia anterior. O Alto Cotia se manteve estável, com 100,2%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.