Periferia paulistana ganha abrigo menos equipado

Ao desfilar só com véu em 1989, a escultora Enoli Lara causou furor na Sapucaí e levou a Liga a vetar a genitália desnuda

FÁBIO GRELLET / RIO, O Estado de S.Paulo

03 Março 2014 | 02h00

Já era madrugada de 6 de fevereiro de 1989 quando a União da Ilha do Governador, escola de samba da zona norte do Rio, ingressou na Sapucaí para apresentar o enredo Festa Profana, que narrava orgias da antiguidade e a origem do carnaval.

Até então, as mulheres mais cobiçadas do sambódromo carioca eram as modelos Luiza Brunet, Luma de Oliveira e Vanessa de Oliveira, rainhas de Portela, Tradição e Império Serrano, respectivamente. Os 90 minutos do desfile da Ilha incluíram nesse rol a escultora Enoli Lara.

Aos 39 anos, ela se exibiu sobre um carro alegórico completamente nua, ou quase: vestia um adereço de cabeça, sandálias e um véu, que haviam lhe custado US$ 5 mil. Ao longo do desfile, Enoli abria o véu e simulava relações sexuais.

O alvoroço causado pela foliona naquele desfile, que completa 25 anos, levou a Liga das Escolas de Samba do Rio a proibir o nu total. A partir de 1990, cada folião que desfila nu causa a perda de meio ponto à escola que representa.

"Fui pioneira, não há como falar sobre nudez no carnaval do Rio sem citar meu nome", diverte-se Enoli, hoje com 64 anos. "Fui convidada pelo carnavalesco Ney Ayan para ser destaque, sobre um carro alegórico que imitava um templo, representando Afrodite, a deusa do Amor. Ele não fez nenhuma restrição quanto à fantasia. Escolhi peças lindas, uma cabeça em crinol preto com strass aurora boreal, o véu e as sandálias, e até pensei em usar tapa-sexo, mas achei desnecessário", conta.

Tática. "Enquanto esperava o início do desfile, usei o véu para me cobrir. Por isso, ninguém imaginava que eu viria nua." Durante o desfile, o assédio a Enoli, que estava no alto de uma alegoria, resumiu-se a olhares, aplausos e gritos dos foliões. "Falavam que iriam me atacar quando eu descesse", relembra. Ao fim do desfile, ela foi acompanhada por seguranças até o próprio carro.

Com receio de que a nudez total virasse rotina, a Liga decidiu proibir que os foliões desfilassem "com a genitália à mostra". Crítico da medida, o carnavalesco Joãosinho Trinta, então na Beija-Flor, decidiu levar à Sapucaí no ano seguinte o enredo Todo mundo nasceu nu. O ator Jorge Lafond, famoso homossexual que interpretou, entre outros, o personagem Vera Verão, desfilou em um carro alegórico com o corpo coberto apenas por purpurina.

A Liga então ampliou a proibição, proibindo também a genitália "decorada e ou pintada", regra que se mantém até hoje. Algumas escolas já foram punidas por descumprir a norma - o caso mais recente foi da São Clemente, que perdeu meio ponto em 2008 por causa da nudez da modelo Viviane Castro, cujo tapa-sexo de 4 centímetros se desprendeu. "Essas meninas (que desfilaram nuas depois de Enoli) são todas minhas discípulas. Eu adoro quando isso acontece, porque a cada ocasião minha história é relembrada", diz.

Furor. O desfile de 1989 não foi o primeiro de Enoli. Um ano antes ela já havia causado furor na Sapucaí. "Em 1988 a União da Ilha iria homenagear o compositor flamenguista Ary Barroso e havia uma ala só com jogadores e dirigentes do Flamengo. Eu fui convidada para desfilar com eles, como rainha do clube. A escola não tinha dinheiro e me deu apenas um cocar vermelho. Pensaram que eu desfilaria com a camisa rubro-negra, mas decidi pintar o corpo com labaredas vermelhas e pretas que partiam da região genital", narra.

Ela chegou ao sambódromo dez minutos antes do início do desfile da escola e teve de pintar o corpo na rua mesmo.

"Quando os jogadores me viram, ficaram enlouquecidos", relembra. Depois do desfile, mesmo tomando todos os banhos possíveis, a tintura ficou pelo corpo por mais de uma semana", conta.

Além da União da Ilha, Enoli também desfilou por outras escolas, como a Mangueira, mas está longe da Sapucaí desde 2000, quando defendeu a Vila Isabel. "Ainda hoje recebo convites tanto de escolas do Rio como de São Paulo. No Rio não me interesso, mas adoraria desfilar no Anhembi", diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.