Perícia aponta falhas de TAM, piloto, pista e Anac em acidente

Erros sucessivos causaram a tragédia que deixou 199 mortos em 17 de julho de 2007, aponta laudo

Bruno Tavares, de O Estado de S. Paulo, e José Dacauaziliquá, do Jornal da Tarde,

14 de novembro de 2008 | 00h43

Após 16 meses de investigação, o Instituto de Criminalística (IC) de São Paulo finalizou nesta semana o laudo sobre o acidente com o Airbus A320 da TAM. O primeiro parecer técnico e oficial sobre a tragédia que deixou 199 mortos em 17 de julho de 2007 deve ser entregue na segunda-feira à Polícia Civil, que apontará os responsáveis pelo desastre e dará o inquérito por encerrado, remetendo-o ao Ministério Público Estadual (MPE). Veja também:Inquérito sobre o vôo 3054 aponta 10 responsáveisNo pouso, piloto errou posição de manetes do AirbusLaudo do IC destaca 'stress' da tripulação do vôo 3054O que mudou - e o que não mudou - desde o acidente da TAMTV Estadão: Os registros das câmeras de segurança na hora do pousoOs nomes e as histórias das vítimas do acidente da TAMFamílias de vítimas da TAM entregam projeto de memorialTudo o que já foi publicado sobre a tragédia do vôo 3054  As conclusões descritas ao longo de quase 700 folhas e 2.500 páginas de anexos focam nas falhas administrativas cometidas principalmente pela cúpula e por altos funcionários da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), além de identificar erros por parte da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), da TAM, dos pilotos do avião e até da fabricante do jato. Os envolvidos serão enquadrados no crime de atentado contra a segurança de transporte aéreo (artigo 261 do Código Penal). Por causa das mortes, a pena é equiparada à do homicídio culposo - de 1 a 3 anos de prisão. A punição pode ainda ser acrescida em até dois terços da pena base, uma vez que, numa mesma ação, houve mais de uma vítima. O laudo produzido pelo Núcleo de Engenharia do IC utiliza o modelo do "queijo suíço", desenvolvido nos anos 90 pelo psicólogo britânico James Reason, para explicar as diversas falhas que culminaram no maior acidente da aviação brasileira. A primeira "fatia" corresponde à Anac, encarregada de legislar sobre o setor aéreo. Caberia à direção da agência, segundo fontes ouvidas pelo Estado, editar uma norma que vetasse o pouso de aeronaves no Aeroporto de Congonhas quando as condições técnicas e meteorológicas fossem adversas. No dia da tragédia, a pista estava molhada e escorregadia e o avião da TAM tinha um dos reversos (freio aerodinâmico) travado. A Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) foi a segunda barreira transposta. Além de liberar o aeroporto para operar sem grooving (ranhuras que ajudam no escoamento da água), técnicos da estatal deixaram de seguir normas internacionais de gerenciamento da pista. A Airbus, por sua vez, classificou apenas como "desejável" - e não "mandatória" - a instalação de um alarme sonoro que auxiliaria os pilotos de A320 a corrigirem eventuais equívocos no manuseio das manetes (aceleradores do avião). Conclusão: em nenhum momento, os computadores advertiram os pilotos para o risco de acidente. O treinamento fornecido pela TAM também se mostrou ineficiente, uma vez que o procedimento seguido pelos comandantes Kleiber Lima e Henrique Stefanini di Sacco não foi o recomendado. Sob a ótica do laudo, os dois foram vítimas de um sistema administrativo falho - e não os únicos responsáveis pelo desastre.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.