Penitenciária de Presidente Venceslau
Penitenciária de Presidente Venceslau

Perícia analisou correspondência entre membros do PCC

Carta foi achada na laje que separa os raios 3 e 4 da Penitenciária 2 de Presidente Venceslau na manhã de 7 de maio de 2012

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

09 Dezembro 2014 | 03h00

SÃO PAULO - A correspondência entre os membros da Sintonia Fina Geral do Primeiro Comando da Capital (PCC) foi achada na laje que separa os raios 3 e 4 da Penitenciária 2 de Presidente Venceslau na manhã de 7 de maio de 2012.

Para que o autor da mensagem pudesse ser identificado, a carta foi encaminhada para perícia e a caligrafia foi comparada com a de outros detentos da mesma unidade, entre eles Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, líder máximo da facção, segundo aponta o Ministério Público Estadual.

O laudo foi positivo para Roberto Soriano, o Tiriça, segundo a Secretaria de Estado da Administração Penitenciária (SAP).

Mais conteúdo sobre:
PCC São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.