Perícia afirma: Nardoni atirou Isabella

Perícia afirma: Nardoni atirou Isabella

Após o mais longo depoimento do caso, a defesa não conseguiu pôr em dúvida as conclusões do IC contra o casal

Bruno Tavares, Marcelo Godoy, O Estadao de S.Paulo

25 Março 2010 | 00h00

O mais longo depoimento do julgamento do caso Isabella acabou sem que a defesa conseguisse desmontar a principal prova da acusação: a perícia que pôs Alexandre Nardoni na cena do crime. O embate entre a perita Rosângela Monteiro e a equipe do criminalista Roberto Podval dominou o 3.º dia do júri. A testemunha não teve dúvida ao afirmar: "O réu (Nardoni) defenestrou (atirou da janela) a vítima".  

 

 Veja também:

 

 https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Juiz volta atrás sobre acareação e surpreende

lista Histórico do caso de Isabela Nardoni

 especialEntenda como será o julgamento do caso Isabella

mais 
imagens Galeria de fotos do julgamento

 

A perita foi firme e clara, incriminando tanto Alexandre quanto a madrasta de Isabella, Anna Carolina Jatobá. A quinta e última testemunha da acusação surpreendeu a assistente técnica de Podval, Roselle Soglio. Primeiro, quando Roselle questionou como Rosângela sabia que uma fralda com sangue examinada pela perícia estava em um balde com amaciante. "Pelo forte odor de amaciante, aquele azulzinho que eu não preciso dizer o nome", disse a perita.

A defesa então questionou em que momento a cena do crime teria sido limpa. A perita respondeu que isso ocorreu enquanto a madrasta ligava para a polícia. "O telefone da casa é móvel. Ela fazia enquanto falava. Principalmente para nós, mulheres, isso é fácil, pois nós fazemos duas, três coisas ao mesmo tempo."

A perita explicou que era impossível para alguém experiente confundir o resultado da luz forense Bluestar, que mostrou a existência de vestígios de sangue no apartamento, com manchas deixadas por nabos e cenouras. Isso porque o sangue deixa manchas diferentes.

Reagente. Roselle perguntou como a perita pôde usar um reagente para identificar sangue se o Estado nunca comprou o produto. Rosângela explicou que pagava por ele do próprio bolso. Então, como a professora que se dirige à aluna, a perita disse: "A senhora recebeu esse reagente quando fez o curso (de perícia) comigo." Foi a vez de Roselle, com a face ruborizada, responder : "Eu não recebi".

No fim, ao ser questionada por Podval se o modelo usado na reconstituição devia ser parecido com o réu, Rosângela olhou para Alexandre e disse que "observando o réu de perto", ele guardava "bastante semelhança" com o modelo. "Vamos mudar de assunto", reagiu a defesa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.