Perfis online trazem mensagens das ruas

As irmãs Andreucci - Beatriz e Débora, de 26 anos, e Daniela, de 33 - colecionam "desabafos" escritos em paredes, pichados, colados ou grafitados para o projeto As Ruas Falam. Elas procuram frases como "Não jogue lixo nas urnas" ou "Sonhar é grátis" escritas em algum muro ou uma placa de sinalização de trânsito com a ordem "Pire", em vez de "Pare". Juntam imagens de colaboradores nos perfis no Facebook, Instagram e Pinterest.

CAMILA BRUNELLI, O Estado de S.Paulo

08 Outubro 2012 | 08h42

"Vimos que muitas pessoas querem desabafar, inspirar ou motivar os outros e que querem ser ouvidas, querem se expressar, sendo artistas ou não. Acho que vamos até descobrir novos talentos", diz Bia.

Quem quer participar pode mandar a foto com a mensagem por e-mail no inspirationpage@gmail.com, ou postar a foto no Instagram ou no Pinterest com a tag #asruasfalam. O único critério é ter alguma frase. Só grafite ou pichação não vale.

Em menos de um mês elas já receberam mais de 200 imagens - e não só de São Paulo. Segundo Bia, há manifestações de Brasília, Bento Gonçalves (RS), São Luís (MA), Nova York, Buenos Aires e Montevidéu.

Muro. O projeto olheosmuros, por sua vez, quer registrar qualquer tipo de manifestação artística, poética e filosófica em muros, calçadas, placas, postes, paredes: de mensagens a grafites, desenhos, pichações ou colagens. As imagens são postadas com endereços, para que as pessoas possam visitar o local. A compilação começou no Twitter (@olheosmuros) há três anos e foi expandida para o Tumblr (olheosmuros.tumblr.com).

"O olheosmuros foi pensado e criado como um coletivo, para agregar todas as pessoas observadoras das cidades, de seus muros, poesias e artes", disse o advogado Eduardo Perazza de Medeiros, de 29 anos, que teve a ideia, ao lado da publicitária Gabriel Serio, de 26. Hoje o perfil tem quase 1,5 mil seguidores no Twitter e mais de 30 mil no Tumblr.

Desde 1998, pichação é crime no País, com pena de 3 meses a 1 ano de reclusão, além de multa. Já o grafite não é considerado crime - desde que a obra seja feita com o fim de valorizar o patrimônio público ou privado e tenha autorização do dono do imóvel. O entendimento foi estabelecido no ano passado, com lei que proibiu a venda de tinta spray a menores de 18 anos. No dia 1.º, a Praça Roosevelt, no centro de São Paulo, amanheceu pichada, um dia após sua reinauguração.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.