Perfil no Facebook com fotos de usuárias do metrô cria polêmica

Grupo pede que página Bom Dia Metrô saia do ar; responsável por ela sugere versão com imagens de homens

DENIZE GUEDES, O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2012 | 03h05

O nome é prosaico. Leva até a crer que se trata de um serviço de utilidade pública. Mas o perfil no Facebook Bom Dia Metrô, que publica fotos de passageiras da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) à revelia delas, foi criado mesmo para dar visibilidade às "beldades de vagão" - na descrição da página. Aberto no dia 20 de setembro, vem criando polêmica na rede.

Até as 23h de ontem, o perfil reunia seis imagens de decotes e partes do corpo de diferentes mulheres, todas não identificáveis. Elas aparecem caminhando por corredores, lendo livros, aguardando para desembarcar ou esperando na plataforma a chegada do trem.

Em uma delas, na Estação Paulista (Linha 4-Amarela), a descrição apresenta a moça de shorts jeans curto, de costas: "Quem aí curte uma ruivinha?" Em outra, que mostra, de cima para baixo, uma mulher de blusa decotada, diz que ela "faz qualquer um perder a estação".

"Isso só contribui para consolidar a ideia de que a mulher é um objeto, mercantilizando seu corpo", criticou a historiadora Vanessa Gravino, de 34 anos. Ao conhecer a página, na noite de anteontem, ela denunciou o Bom Dia Metrô ao Facebook e fez um apelo à sua rede de amigos para que fizessem o mesmo. "É grosseiro e machista tirar a foto de uma mulher e sair publicando na internet, sem que ela saiba."

O post de Vanessa deu origem a dezenas de comentários, a maioria de mulheres. "Grotesco, depreciativo, de péssimo gosto", escreveu Vivi Mendes, que também denunciou a página. Elas pediram que ela saísse do ar por ter discurso de violência a um gênero. "Foi o que achei de mais próximo (como opção na rede social)", disse Vanessa.

Um dos autores da página, que não se identificou, explicou que a ideia foi fazer algo compartilhável entre os homens, "bem ao estilo conversa de bar". Disse que os criadores têm entre 18 e 29 anos - alguns namoram - e usam seus celulares para clicar. Eles criaram até um endereço de e-mail para receber contribuições, o que já ocorreu. "Hoje, a mulher é objeto, como o homem também é. Nossa sociedade está vulgarizada. Escute funk, assista à novela", escreveu ao Estado.

Ele defende a ideia de que poderia ser criado um perfil similar na versão masculina. "A polêmica seria menor", acredita. "Algo compartilhável por mulheres, dizendo que gostariam de pegar um metrô cheio com um determinado "gostosão.'"

Denúncia. Se 26 pessoas tinham curtido o perfil na noite de terça-feira, ontem já eram 43. Questionado sobre a página, o Facebook respondeu que não comenta casos específicos. Já o Metrô limitou-se a informar que passageiros que se sintam constrangidos podem denunciar abusos pelo www.metro.sp.gov.br, pelo 0800-770-7722 ou por meio de SMS ao (11) 97333-2252. / COLABOROU MATEUS COUTINHO, ESPECIAL PARA O ESTADO

Mais conteúdo sobre:
facebook

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.