Perdoai as nossas dívidas

Depois de prometer anistiar multas de trânsito, Weslian Roriz guarda ainda um trunfo na manga de sua candidatura: a proibição do bafômetro pode decidir as eleições no Distrito Federal. O resto é intriga da oposição: não é verdade que, no governo dela, todo mundo vai poder trafegar pelo acostamento, estacionar em cima da calçada, avançar sinal vermelho ou cortar caminho pelo gramado da Esplanada dos Ministérios.

Tutty Vasques, O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2010 | 00h00

Ninguém - nem o marido dela - teria coragem para tanto, mesmo sabendo que parte do eleitorado brasileiro considera o direito à coisa errada, ainda que em forma de perdão pelo fato consumado, tão decisivo na definição do voto quanto a condenação pública do aborto pelos candidatos.

Não é particularidade do DF. Em qualquer lugar do Brasil, se juntar a turma que está devendo no trânsito com o pessoal que sonegou imposto, assinou TV a cabo pirata, não depositou pensão alimentícia, agrediu o meio ambiente ou molhou a mão do guarda, a soma de votos dos anistiados em potencial já teria decidido as eleições no primeiro turno em todo o País. O eleitor, em maioria considerável, não presta!

Essa não!

Tem toda pinta de erro da imprensa! O jornal L"Osservatore Romano, oficial do Vaticano, pode muito bem ter feito a velha confusão entre Homer Simpson (foto) e José Serra ao citar a família do protagonista do desenho animado como bom exemplo de fé católica.

Pouca vergonha

Esse negócio de elevar o IOF para segurar o câmbio, francamente, ainda bem que menor de idade não lê o noticiário econômico, né não?

Idade da razão

Iker Casillas, goleiro do Real Madrid e da seleção espanhola, teve bons motivos para dizer dia desses que "Ronaldinho Gaúcho já não é mais o mesmo". Já tem mais de 6 meses que o craque brasileiro não dá uma festa de arromba daquelas em Milão. Só se fala disso na Europa! Não à toa, Mano vai convocá-lo para o amistoso com a Argentina.

Bagunça danada

A Al-Qaeda está preocupada! Tem homem-bomba apanhando da polícia nas ruas em Paris sem ter nada a ver com o pato. O que parecia ser um servicinho tranquilo na Torre Eiffel virou um inferno depois que começaram os protestos em toda a França contra mudanças nas regras da Previdência Social. Tem terrorista batendo em retirada pro Paquistão em busca de aposentadoria!

Tecla confirma

Depois da posição de neutralidade recomendada pelo diretório do PV, a bancada federal do PSOL está pregando o "voto crítico". Desse jeito, vai acabar crescendo o número de eleitores indecisos.

Último recurso

Tudo bem que os fichas-sujas eleitos sejam impedidos de tomar posse, mas será que nem vender os próprios votos eles podem?

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.