'Pensei que o acudiam, mas batiam a cabeça dele no chão'

Maria Aparecida Menezes, mãe do motoboy

, O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2010 | 00h00

ENTREVISTA

Qual foi sua reação ao ver o filho sendo agredido?

Escutei uma confusão e acordei. Desci a escada feito louca. Gritei por socorro. Meu outro filho de 13 anos me deu a chave do portão. Pedi pelo amor de Deus para pararem de espancar meu filho. Dizia que ele morava aqui. Tentei puxá-lo, mas não consegui.

Em algum momento, sinalizaram que parariam a agressão?

Uma hora pensei que meu filho estava acordando, que policiais o acudiam. Mas estavam batendo a cabeça dele no chão. Vi no olho dele que estava morrendo. Depois, o jogaram na viatura. Ele chegou morto no hospital.

O Alexandre tinha arma?

Não. Só no hospital encontraram arma. A polícia divulgou que não houve disparos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.