Divulgação
Divulgação

Pendrive agora é flex e tem design divertido

Caneta, canivete e até martelo de juiz já servem também para armazenar informações

VALÉRIA FRANÇA, O Estado de S.Paulo

09 de junho de 2012 | 03h03

Evolução do antigo disquete, o pendrive está cada vez mais potente e descolado. Feito para resgatar arquivos de computador, armazenar fotos e até filmes, o acessório foi incorporado a outros objetos do uso diário - caso de uma caneta, um canivete e até mesmo um abridor de garrafas. É o pendrive flex, com mais de uma função.

A marca suíça Victorinox trouxe para o Brasil o canivete USB Slim, com duas capacidades de armazenamento - 4GB (R$ 280,90) e 8 GB (R$ 385,42). O modelo ainda tem um diferencial importante no caso de roubo: a tecnologia de criptografia de dados para hardware e software. Isso quer dizer que os arquivos armazenados só podem ser acessados com senha pessoal.

Grife de cristais conhecida no mundo da moda, a Swarovski acoplou o pendrive a algumas joias. Entre as peças escolhidas, um pingente de borboleta cravejado com 212 cristais, que vem numa corrente de aço para que seja usado também como colar (R$265). Tem capacidade de 4 GB. A grife ainda usou como suporte para a tecnologia uma caneta. O acessório fica embutido em sua parte superior (R$ 265).

Há também os toys, brinquedos de adultos que também ganharam função dupla. "Um dos grandes sucessos é o pendrive Mimoco, do personagem Lanterna Verde. Sempre tem lista de espera desse produto", diz Flavia Bley, proprietária da loja O Segredo do Vitório. O modelo vem em duas versões, com 8 GB (R$134) e 16 GB (R$ 234) de memória. De mesma marca e preço, o da Hello Kitty Nerd é outro sucesso da loja. Na Imaginarium, o design do pendrive segue a linha do humor - entre os produtos, um pinguim de smoking (R$ 119,90, 4 GB).

Genéricos. Os modelos genéricos, sem marca, saem mais baratos, mas não têm garantia. "Deixei de vender na minha loja porque tive muitas queixas de clientes, que acabaram perdendo dados", diz Flávia. "Sempre troco o produto, mas o prejuízo maior são os arquivos perdidos, que não há como recuperar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.