Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Pelo segundo dia seguido, sobe nível do Sistema Cantareira

Reservatório teve aumento de 0,2 ponto porcentual no volume de água e opera com 7,2% da capacidade, de acordo com a Sabesp

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

25 Dezembro 2014 | 09h50

SÃO PAULO - Apesar de não ter registrado chuvas sobre a região nas últimas 24 horas, o nível do Sistema Cantareira subiu pela segunda vez consecutiva, segundo dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Nesta quinta-feira, 25, o reservatório, responsável por atender 6,5 milhões de pessoas, opera com 7,2% da sua capacidade: 0,2 ponto porcentual a mais do que no dia anterior, quando estava com 7%.

Nos últimos três dias, choveu 80,1 milímetros na área do principal manancial de São Paulo, o que corresponde a cerca de 36% da média histórica para todo o mês de dezembro, de 220,9 milímetros. Já a pluviometria acumulada, faltando uma semana para o final do mês, é de 140 milímetros, ou cerca de 63% da média, segundo a Sabesp.

As chuvas têm ajudado a frear a sequência de quedas do Cantareira, que não registra perda no volume armazenado de água desde a sexta-feira passada, 19. Na ocasião, o reservatório havia caído 0,2 ponto porcentual, de 6,9% para 6,7%.

Cinco dias depois, o Cantareira voltou a crescer 0,3 ponto porcentual, passando para 7%, o que interrompeu um período de oito meses sem aumento no volume armazenado de água. A última vez que o nível do reservatório havia subido havia sido no dia 16 de abril - com exceção das datas em que as duas cotas do volume morto entraram no cálculo da Sabesp, em maio e outubro, respectivamente.

Outros mananciais. O nível de outros quatro reservatórios também subiu nesta quinta. Responsável por atender 4,9 milhões de pessoas, o Guarapiranga, o maior deles, aumentou 0,6 ponto porcentual e está com 38,9% da sua capacidade. Por sua vez, o Alto Tietê subiu 0,5 ponto porcentual e opera com 11,6%, ante 11,1% do dia anterior. O cálculo já considera os 39,4 bilhões de litros do volume morto, acrescentados no domingo retrasado, 14.

Em termos proporcionais, o Sistema Rio Grande, que está com 70,5%, foi quem teve o maior aumento no volume armazenado de água, com 1,5 ponto porcentual a mais do que no dia anterior, quando estava com 69%. O Rio Claro também subiu 0,9 ponto porcentual, passando de 32% para 32,9%. Juntos, os mananciais abastecem 2,7 milhões de paulistas.

O menor dos reservatórios, o Alto Cotia, que atende 410 mil pessoas, foi o único a registrar queda de 0,1 ponto porcentual e está com 31,4% da sua capacidade.

Mais conteúdo sobre:
Crise da Água São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.