Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Pela 1ª vez desde 2013, volta a crescer nível de confiança nas instituições em SP

Pesquisa mostra que no ano passado houve interrupção de tendência de queda que, desde 2013, abalava confiança em relação a todas as instituições analisadas em SP; Metrô segue como instituição melhor avaliada

Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

23 Janeiro 2019 | 10h17

Pela primeira vez desde 2013, marco divisor da política brasileira recente após as manifestações de rua, voltou a crescer a confiança da população nas instituições.

A Pesquisa 'Qualidade de Vida - Viver em São Paulo', realizada pelo IBOPE Inteligência e encomendada pela Rede Nossa São Paulo, divulgada nesta quarta-feira, 23, revela a avaliação de moradores da capital paulista em relação a itens como saúde, educação, confiança nas instituições e avaliação administrativa. 

O estudo mostra que em 2018, em São Paulo, houve a interrupção de uma tendência - observada a partir de 2013 - de queda na confiança em relação a todas as instituições analisadas. Moradores do centro e da região oeste de São Paulo são os que se posicionam de maneira mais crítica em relação às instituições avaliadas. 

Entre as melhores avaliadas, estão: Metrô, com 58% de confiança, seguido de SABESP (52%) e Conselho Tutelar (50%). As instituições com menor nível de confiança são Subprefeituras (27%), Tribunal de Contas do Município (24%) e Câmara Municipal de São Paulo

A maioria dos paulistanos continua sem participar das audiências públicas e votações na Câmara Municipal. Questionado se particpa de alguma atividade na Casa, 93% dos paulistanos responderam que não. Em 2017, eram 97%. 

Cerca de 2/3 dos entrevistados não lembram ainda em quem votaram para vereador nas eleições de 2016, que elegeram os parlamentares em atuação. No ano pasado, 64% dos questionados disseram não se recordar em quem votou. O número cresceu em 2017, quando 55% não lembravam o nome do vereador escolhido na eleição anterior. 

Na lista, há ainda instituições como a Polícia Militar (50% de confiança), a Prefeitura de São Paulo (28%) e a Companhia de Engenharia do Tráfego, a CET, com 35% de nível de confiança. 

A pesquisa entrevistou 800 pessoas entre os dias 4 e 21 de dezembro do ano passado. O intervalo de confiança é de 95% e a margem de erro máxima estimada é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Questionados sobre o grau de satisfação em relação à qualidade de vida na cidade, os paulistanos deram nota 6,3. O valor é superior ao registrado em 2017, quando a nota dada foi 6. Dois anos atrás, em 2016, a satisfação atingiu o nível mais baixo da série histórica da pesquisa: 5,4.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.