Pedida prisão de motorista que matou manifestante em Ribeirão

Alexsandro Azevedo, de 37 anos, que avançou sobre a multidão, já responde a mais de dez processos na Justiça

Rene Moreira, Especial para o Estado

21 Junho 2013 | 13h14

A Polícia Civil de Ribeirão Preto (SP) pediu nesta sexta-feira, 21, a prisão do empresário Alexsandro Ichisato de Azevedo, de 37 anos, acusado de ter avançado com seu carro e atropelado 13 pessoas na noite anterior, matando Marcos Delefrate, de 18 anos. O carro dele foi abandonado no condomínio de luxo em que reside, mas ele não se encontrava no local e é procurado. Mais cedo, o advogado de Azevedo disse que ele se apresentaria fora de Ribeirão.

De acordo com o delegado Carlos Henrique Araújo, a Range Rover preta tinha marcas de sangue e foi mandada para Araraquara (SP) porque o pátio em Ribeirão está lotado. Segundo ele, mesmo que o empresário se apresente em outra cidade, todo o inquérito vai se desenrolar em Ribeirão e a polícia da cidade terá de ouvi-lo e ficará responsável pelo caso.

O empresário atua no ramo de revenda de imóveis e também teria uma academia de artes marciais onde seria professor. Lutador de jiu-jitsu, já responde a mais de dez processos na Justiça, alguns deles relacionados a agressões. Em vídeos feitos pelos manifestantes, ele acelera o carro duas vezes para passar pelo bloqueio na Avenida João Fiúza, em vez de dar ré e retornar. Na terceira vez acelera com tudo e vai atropelando quem está pela frente.

No local onde as pessoas foram atropeladas e o jovem morreu, foram colocados flores, cartazes, velas, mensagens e uma bandeira do Brasil. Até por volta das 12h30, duas jovens seguiam internadas e uma delas, em estado mais grave, precisará passar por cirurgia.

Luto. A prefeitura de Ribeirão Preto decretou luto de três dias pela morte de Marcos Delefrate. "A tragédia trouxe indignação e tristeza para todos. Uma manifestação pacífica e organizada, que tinha tudo para marcar a história de nossa cidade e servir de exemplo para a democracia do País, deixou uma grande cicatriz em todos nós", disse a prefeita Darcy Vera (PSD).

Assista ao vídeo:

>

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.