Pedágio no Rodoanel Sul deve começar em julho

Empresa já cumpriu 70% das obrigações antes do início da cobrança e deve completar a meta no mês que vem; valor vai ficar entre R$ 2,40 e R$ 2,50

Renato Machado, O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2011 | 00h00

A cobrança de pedágio no Trecho Sul do Rodoanel Mário Covas deve mesmo ser antecipada para julho. O Consórcio SPMar - responsável pela administração da rodovia - já cumpriu mais de 70% das obrigações previstas no contrato de concessão e pretende encerrar tudo até o próximo mês. Caberá à Agência Reguladora dos Serviços de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) auditar as ações e aprovar o início da cobrança.

O contrato de concessão foi assinado no dia 10 de março. O consórcio vencedor da licitação ficou responsável pelas obras de construção do Trecho Leste e pela administração do Sul podendo, em contrapartida, explorar os pedágios. A cobrança deve começar em até seis meses a partir da assinatura e após a conclusão de algumas intervenções, como a instalação de placas e reparos no asfalto.

"Não vou falar em início da cobrança de pedágio, porque isso quem define é a Artesp. Mas eu acredito que é possível completar meus trabalhos até julho e aí vai ser submetido à Artesp, que vai aprovar a cobrança", diz o diretor executivo do consórcio SPMar, Marcelo de Afonseca, na manhã de ontem, durante evento no qual apresentou um balanço dos três primeiros meses de concessão da rodovia.

O consórcio SPMar venceu a licitação em novembro do ano passado após propor o menor valor para o pedágio do Trecho Sul: R$ 2,19. A correção do valor pelos índices de inflação deve fazer com que o pedágio fique entre R$ 2,40 e R$ 2,50. Haverá praças de pedágio em todas as saídas da via, mas os usuários pagarão só uma vez.

Celular. Um dos principais problemas no Trecho Sul, a falta de sinal de celular em algumas regiões, só deve ser totalmente resolvido no fim do ano. A instalação das torres de telefonia começou em março. Atualmente, estão em operação nove das 14 previstas - o que cobre 70% da rodovia. A previsão é que as demais torres entrem em operação até dezembro.

A falta de comunicação é agravada porque a instalação dos telefones de emergência (call box) está prevista para até março do ano que vem. O SPMar afirma que intensificou as rondas com viaturas. "Coloquei todos os meus veículos para rodar e não apenas as viaturas de inspeção. Fazem o trajeto também os guinchos e o veículo de apreensão de animais. Nós passamos em média a cada 15 minutos em cada ponto da rodovia", diz Afonseca.

Em três meses, foram registrados 45 acidentes e metade deles deixou pessoas feridas. Duas pessoas morreram. O consórcio também atendeu nesse período 5,2 mil motoristas com problemas mecânicos e pneu furado, entre outros fatores - em média, um pedido a cada 30 minutos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.