Pedágio eletrônico ganha concorrência e vai ficar mais barato em SP

Alternativa ao Sem Parar chega ao mercado até o fim do ano; mensalidade deve ser de R$ 6

Nataly Costa, O Estado de S. Paulo

09 de setembro de 2011 | 17h18

SÃO PAULO - O pedágio eletrônico vai ficar mais barato em São Paulo. Uma nova operadora vai começar a fazer a cobrança eletrônica nas rodovias do Estado, oferecendo aos usuários uma alternativa ao sistema Sem Parar: é a DB Trans, que já atua no Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. A medida foi publicada hoje no Diário Oficial do Estado e a empresa deve chegar às praças paulistas até o fim do ano.

 

Para entrar no mercado, a DBTrans vai chegar cobrando mais barato que a concorrente e com novos recursos de tecnologia. Além do valor integral do pedágio, o usuário vai pagar uma mensalidade de R$ 6 para usar o sistema, ante os R$ 11,90 cobrados pelo Sem Parar.

 

Também vai ser possível usar o modelo pré-pago: o motorista carrega o dispositivo com um determinado valor e vai "gastando" o crédito cada vez que passa por uma praça de pedágio. Quem optar por essa forma de pagamento fica livre de mensalidade. Hoje, a fatura do pedágio eletrônico é cobrada no fim do mês.

 

Outra novidade é que os caminhões também vão poder usar o dispositivo eletrônico. Hoje há apenas o vale-pedágio para caminhoneiros no formato papel ou cartão.

 

A Secretaria Estadual de Transportes negocia com as concessionárias que administram as rodovias paulistas a readequação das praças de pedágio para receber o sistema da nova operadora. A Sem Parar atuava sozinha no Estado há 12 anos.

Mais conteúdo sobre:
pedágio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.