Helvio Romero/AE
Helvio Romero/AE

Peça vai reproduzir no Ipiranga o grito da Independência

Com Murilo Rosa como d. Pedro I e Deborah Secco como Maria Leopoldina, espetáculo gratuito será encenado na frente do museu

Edison Veiga e Juliana Deodoro - O Estado de S. Paulo,

30 Agosto 2012 | 22h26

SÃO PAULO - "Independência ou morte." Para celebrar os 190 anos do histórico grito de d. Pedro I, que libertou o Brasil de Portugal às margens do Riacho do Ipiranga, uma peça será encenada ali mesmo neste domingo, a partir das 11h30, no Parque da Independência, na frente do Museu Paulista.

Com status de megaprodução, a montagem envolve 25 atores - entre eles, Murilo Rosa, como d. Pedro, e Deborah Secco, como a princesa Maria Leopoldina - e 250 outros profissionais. A entrada é grátis.

Auto da Independência, organizado pela Associação Comercial de São Paulo, pretende entrar para o calendário da cidade, tornando-se atração fixa anual. É a primeira vez que o episódio é encenado no mesmo local onde a Independência foi proclamada. Na programação, também há espetáculos de dança e música.

Os ensaios vêm ocorrendo há um mês sem a presença do casal protagonista, que está se preparando no Rio e só amanhã fará um ensaio geral com o resto da equipe. "Trata-se de uma experiência única. São quatro atos, ao longo de todo o dia", conta o diretor Nelson Baskerville, ganhador do Prêmio Shell de Teatro 2012, lembrando que a previsão é de que o espetáculo seja encerrado por volta das 18h. "Este mês de trabalho foi bastante intenso. A complexidade é tanta que eu comparo isso a dirigir uma ópera, não uma peça de teatro."

História. No papel de d. Pedro, Murilo Rosa já tem experiência nesse tipo de espetáculo, chamado de "teatro-show". Ele já foi Jesus Cristo na Paixão de Cristo de Nova Jerusalém, em Pernambuco, e Giuseppe Garibaldi em uma encenação em Laguna (SC). "Quando encenamos esses períodos, valorizamos nossa cultura e não deixamos desaparecer um pedaço da história."

Para Murilo, todo o espetáculo será uma grande aventura. "Em encenações como essa, geralmente gravamos os diálogos antes. No domingo, faremos tudo ao vivo, no gogó. Dá um friozinho na barriga." O ator vê seu personagem como herói. "Não foi uma decisão fácil para ele. D. Pedro I se tornou símbolo pela atitude que tomou."

Baskerville comenta que teve muita liberdade para montar a encenação. "E a locação é perfeita. Afinal, estamos reproduzindo a história no local onde ela realmente aconteceu."

PROGRAMAÇÃO

Primeira apresentação

11h30: Minueto (Esplanada do Museu)

11h45: Ato 1 - Cortes Portuguesas (Esplanada do Museu)

12h: Ópera - Domitila (Esplanada do Museu e Coreto Leste Praça das Bandeiras)

12h15: Ato 2 - Maria Leopoldina (Coreto Leste Praça das Bandeiras)

12h30: Música da Independência (Coreto Oeste)

12h45: Ato 3 - José Bonifácio (Coreto Oeste)

13h: Lundu (Pça. das Bandeiras)

Segunda apresentação

Mesma sequência, a partir das 13h15

Terceira apresentação

Mesma sequência, a partir das 14h45.

16h30: Cortejo da Independência (Alameda Principal)

17h: Ato Final - Auto da Independência (Monumento). Com Murilo Rosa, Deborah Secco e Renato Borghi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.