PE tem recursos de sobra, mas execução de apenas 0,003%

Rio de Janeiro e Pernambuco são os dois outros Estados que mais tiveram verbas aprovadas para o programa - R$ 307 milhões e R$ 150,3 milhões nos últimos três anos, respectivamente. Pernambuco, no entanto, tem a pior execução dos grandes Estados: apenas R$ 5,8 mil foram de fato contratados para obras - ou seja, 0,003%.

Ângela Lacerda / RECIFE, O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2010 | 01h00

A maior parte dos recursos orçados - R$ 140,4 milhões - era destinada ao projeto da Via Mangue, uma via expressa de 4,5 quilômetros com oito pontes e dois elevados, que deve cortar a zona sul do Recife. Sem semáforos ou cruzamentos, deverá ter velocidade média de 60km/h e calçadas para pedestres e ciclovias ao longo do trajeto.

Além da expectativa de reduzir os sérios problemas de trânsito na zona sul, que concentra turismo e hotelaria em torno da Praia de Boa Viagem, a Via Mangue representa uma etapa na preparação do sistema viário da capital para a Copa do Mundo de 2014 - Pernambuco será uma das subsedes.

A promessa da construção da avenida é antiga - a primeira solicitação de verbas ao Ministério das Cidades foi feita em 2006 -, mas as obras devem começar somente no início do próximo ano, segundo a prefeitura do Recife. O custo total deverá ser de R$ 433 milhões - R$ 331 milhões federais e R$ 102 milhões de contrapartida do município. A prefeitura, no entanto, afirma não ter havido solicitação de recursos para o projeto Via Mangue dentro do Programa de Mobilidade Urbana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.