HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO
HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO

PCJ pede R$ 3,5 bi a Kassab para fazer 15 represas no interior

Área abrange 43 cidades, entre elas Campinas, Piracicaba e Jundiaí, com população de mais de 5 milhões de habitantes

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

15 de maio de 2015 | 20h13


SOROCABA - O Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (Consórcio PCJ) pediu ajuda ao ministro das Cidades, Gilberto Kassab, para a construção de 15 reservatórios de água bruta na região ao custo de R$ 3,5 bilhões. A área abrange 43 cidades, entre elas Campinas, Piracicaba, Jundiaí e Bragança Paulista, com população total superior a cinco milhões de habitantes, fortemente afetadas pela crise hídrica de 2014.

Entre os reservatórios estão as represas de Pedreira, em Pedreira, Duas Pontes, em Amparo, e Piraí, em Salto, com projetos definidos e em processo de licenciamento. O projeto faz parte de um relatório com 22 propostas para combater a crise hídrica entregue ao ministro, nesta sexta-feira, 15, em Americana, interior de São Paulo, pelo presidente do consórcio e prefeito de Indaiatuba, Reinaldo Nogueira (PMDB). Outros 24 prefeitos estiveram no encontro.

Barra Bonita. O consórcio apresentou ao ministro proposta de transpor as águas da Represa de Barra Bonita, no Rio Tietê, para o abastecimento da região. A água captada em Anhembi seria transportada por adutoras até a cidade de Piracicaba, atendendo ainda Rio Claro e outras cidades. O reservatório tem volume equivalente a mais que o dobro do Sistema Cantareira. O projeto, que deve ser precedido de estudo da qualidade das águas, tem custo previsto em R$ 650 milhões e previsão de execução em cinco anos.

De acordo com Nogueira, a região do PCJ tem necessidade imediata de 12 metros cúbicos de água por segundo - volume que será pedido durante a renovação da outorga do Sistema Cantareira, este ano - , mas demandará 18 m3/s a partir de 2025. Segundo ele, a região cresce de 4% a 5% ao ano, enquanto a Grande São Paulo cresce 1% por ano.

Outras propostas envolvem a construção de cisternas para reservação de água da chuva nos municípios (R$ 50 milhões), desassoreamento dos rios Jaguari/Jacareí, Cachoeira e Atibainha (R$ 10 milhões), captação de água da chuva em propriedades rurais (R$ 200 milhões) e projetos para redução de consumo e de perdas.

O ministro informou que as propostas serão analisadas pelo governo em 30 dias e discutidas em novo encontro. Ele designou o secretário nacional de Saneamento Ambiental, Paulo Ferreira, para a interlocução com o consórcio. De acordo com Kassab, os recursos para as represas de Pedreira e Amparo já foram solicitados ao governo federal pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) e estão sob análise.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise da águaConsórcio PCJ

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.