PB: policiais criaram grupo de extermínio

A Polícia Federal prendeu ontem mais de 30 policiais em João Pessoa, além de agentes de segurança envolvidos na formação de milícias e em grupos de extermínio na Paraíba. Policiais militares de diversas patentes - incluindo major, capitão e sargento -, policiais civis, delegados e agentes penitenciários são acusados de atuar em três organizações criminosas distintas, integradas pelo tráfico ilegal de armas e munições. Pelo menos seis assassinatos ocorridos durante as investigações teriam ligações com os presos da chamada Operação Squadre.

ALANA RIZZO/ BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

10 de novembro de 2012 | 02h02

Segundo a PF, uma primeira equipe atuava basicamente como grupo de extermínio, matando presos e ex-presidiários em acertos de contas. O segundo, comandado por oficiais da PM do Estado, chefiava uma empresa de segurança privada clandestina e lavava dinheiro para outros integrantes do esquema.

Já o terceiro grupo atuava extorquindo dinheiro de traficantes de drogas, assaltantes de banco e outros criminosos. Agentes da Polícia Civil, da PM e agentes penitenciários cobravam uma taxa para atrapalhar investigações e maquiar flagrantes. De acordo com o superintendente da PF Marcelo Cordeiro, as investigações duraram mais de um ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.