Paulistices

Curiosidades da metrópole

Edison Veiga, O Estado de S.Paulo

21 Fevereiro 2011 | 00h00

As mulheres da feirinha do Masp

Foi na feirinha do Masp que o fotógrafo e advogado Eduardo Muylaert - assíduo garimpeiro de antiguidades - encontrou, há cinco anos, uma caixinha com 24 fotos de nus femininos. "Paguei R$ 100", recorda-se. Bastante deterioradas por fungos, as imagens ficaram guardadas em sua casa até 2009, quando ele resolveu transformá-las em arte. "Usei um software de restauração para recuperar as cores e realçar as marcas de deterioração", conta.

Com estética peculiar, o material virou exposição - gratuita, até 19 de março, na Fauna Galeria (Alameda Gabriel Monteiro da Silva, 470, telefone (11) 3668-6572). As fotos, devidamente ampliadas, estão à venda por valores que variam de R$ 1,5 mil a R$ 5 mil.

"O interessante é que as imagens são dos anos 1950. E, na época, eram pornografia", comenta o Muylaert. "São mulheres anônimas e mal pagas que foram retratadas por fotógrafos anônimos e mal pagos." Quem diria que, seis décadas mais tarde, depois de mofarem em uma caixinha na feira do Masp, adquiririam status de arte e acabariam enfeitando a sala de alguém?

Há 89 anos, a semana eterna

Fevereiro de 1922: o Teatro Municipal sediava o evento que colocou a arte paulistana na vanguarda. A charge, de Belmonte (1896-1947), aparece no livro Semana de 22: Entre Vaias e Aplausos, de Marcia Camargos

OLHA SÓ...

Pebolim humano. Com times de seis jogadores, o Sesc Pinheiros teve, no fim de semana, inusitados jogos de pebolim humano - em que os jogadores, fixados a barras, são as peças do brinquedo. Para quem perdeu, a entidade promete repeteco no próximo fim de semana. Informações pelo telefone (11) 3095-9400.

Contra a pirataria. Na semana passada, 510 mil CDs e DVDs piratas apreendidos recentemente de ambulantes pela Guarda Civil Metropolitana e pela Polícia Militar foram destruídos. Ao longo do ano passado, essa operação tirou de circulação 11 milhões de CDs e DVDs piratas - 930 toneladas de produtos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.