Paulistanos invadem a praia dos cariocas

Passagens promocionais e aumento dos cruzeiros elevam em 50% o número de turistas que saem de SP para se hospedar em hotéis do Rio

Valéria França, O Estado de S.Paulo

19 Dezembro 2010 | 00h00

O Rio virou a praia dos paulistanos em 2010. Uma das grandes redes de hotéis da cidade, o Othon, com mais de 1, 2 mil quartos, recebeu neste ano 50% a mais de hóspedes que saíram de São Paulo do que em 2009. "Ficou mais barato ir para o Rio", explica Edmar Bull presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens de São Paulo (ABAV-SP).

Há promoções tentadoras de passagens aéreas, que em alguns horários caem de R$ 450 para R$ 100. Além disso, a frota de turismo aumentou de 18 para 20 embarcações em 2010. Estão previstos para o verão 415 cruzeiros, 37 deles temáticos, 20% a mais do que no ano passado.

O aumento de viagens marítimas também se deve a uma moda criada pelo mundo corporativo. São os cruzeiros de incentivo, nome dado às confraternizações de empresas que acontecem em alto mar. "São viagens de um dia, no máximo dois, que frequentemente saem do porto do Rio ou chegam nele", explica Bull.

"A previsão é que o Rio seja a cidade campeã em cruzeiros. Eles devem trazer 507 mil turistas, 13% a mais do que na temporada de 2009", diz Ricardo Amaral, presidente da Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos (Abremar). O gasto médio por dia dos viajantes em alto mar, segundo a associação, é de R$ 200. E a cidade está se preparando para receber ainda mais turistas.

Investimentos. De 2003 a 2010, os recursos aplicados pelo Ministério do Turismo em ações de qualificação profissional na cidade do Rio chegam a R$ 211 milhões. Já para infraestrutura turística, a capital olímpica recebeu, até agora, mais de R$ 17 milhões.

Entre as obras previstas estão a recuperação do Cristo Redentor, a sinalização turística da capital, construção de praças e um centro de eventos.

A região do porto também passará por revitalização. Deve receber US$ 187 milhões do Programa de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur Nacional). As obras vão até 2014.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.