Roosevelt Cassio/Estadão
Roosevelt Cassio/Estadão

Paulistanos enfrentam 416 km de filas nas estradas rumo ao interior e litoral

Feriado. Viagem para o litoral norte no primeiro dia da folga prolongada da Proclamação da República demorou até 12h; Tamoios teve excesso de veículos; Imigrantes e Oswaldo Cruz ficaram totalmente paradas e houve quem desistiu após 15h de congestionamento

José Maria Tomazela e Marina Azaredo - O Estado de S.Paulo,

16 Novembro 2013 | 00h46

SÃO PAULO - Depois dos 309 km de vias paradas da última quinta-feira, a maior lentidão da história de São Paulo, paulistanos voltaram a enfrentar trânsito caótico nesta sexta-feira, só que nas estradas: foram 416 km de lentidão nas rodovias que ligam a cidade às praias e ao interior. Motoristas levaram até 12 horas para chegar ao litoral norte no primeiro dia do feriado da Proclamação da República.

A situação mais grave foi a da Rodovia Oswaldo Cruz, que liga Taubaté, no Vale do Paraíba, a Ubatuba. A estrada ficou completamente parada das 10h às 16h, totalizando 94 km de congestionamento. Sem conseguir andar por horas, muitos motoristas decidiram voltar e ir até Paraty para depois descer para Ubatuba. O Departamento de Estradas de Rodagem (DER) classificou a situação como "atípica", mas não soube informar se foi batido o recorde de lentidão da estrada.

Na Mogi-Bertioga, a situação se repetiu: foram 41 km de lentidão, das 4h30 às 16h, entre o km 57 e o km 98. "Está tudo abandonado, não tem policiamento, as pessoas estão andando a pé no meio dos carros parados", relatou às 14h o vendedor Nivaldo Rodrigues, que havia saído de sua casa na Penha, zona leste de São Paulo, às 7h. Em sete horas, ele havia andado apenas 62 km. "O plano era sair na quinta, mas vimos a situação do trânsito e deixamos para hoje. Não adiantou nada", lamentou a teleoperadora Thaís, filha de Nivaldo. A família pretendia passar o feriado em Bertioga.

A Rodovia dos Tamoios, que também vai para o litoral norte, registrou desde a madrugada lentidão em toda a sua extensão. Motoristas chegaram a enfrentar até oito horas de viagem entre São José dos Campos e Caraguatatuba, trecho que é percorrido em uma hora. Turistas que saíram de São Paulo levaram até 12 horas para chegar até São Sebastião.

Desistência. O técnico de informática Edislei Couto Barbosa e sua namorada Cíntia Mariotini, de Sorocaba, ficaram 15 horas na estrada na tentativa de pegar praia em Ubatuba. O casal desistiu quando estava a menos de 40 km do destino. "Praia em feriado prolongado nunca mais", desabafou o rapaz, ao chegar de volta a Sorocaba no fim da tarde de sexta-feira.

Eles saíram de casa às 17h de quinta-feira e seguiram por Campinas, pela Rodovia D. Pedro I, até a Via Dutra. "O problema começou quando chegamos a São José dos Campos, às 21h30 e encontramos a Tamoios fechada por excesso de veículos (o que a concessionária nega)." O Sistema Anchieta-Imigrantes também apresentou problemas. A Imigrantes parou por completo com 58 km de lentidão às 10h. Já a Anchieta tinha 19 km às 12h30.

O funcionário da Caixa Econômica Federal Fábio Gallo saiu de São Caetano do Sul às 11h15 e até as 14h tinha percorrido apenas 18 km. "Ando 2 metros a cada 2 minutos. Estou levando carne para um churrasco, mas acho que o pessoal vai ficar sem almoço", lamentou ele, que ia para Bertioga.

A Rodovia Régis Bittencourt, principal ligação de São Paulo a Curitiba e acesso ao litoral sul paulista, registrou congestionamento de 53 km. A Rodovia Castelo Branco chegou a 50 km de trânsito lento e congestionado por volta das 11h, na saída de São Paulo em direção ao interior. Na Rodovia Raposo Tavares, a situação foi mais tranquila. A estrada teve apenas 6 km de lentidão.

A Rodovia dos Bandeirantes, que liga São Paulo a Cordeirópolis, teve 12 km de lentidão pela manhã e no início da tarde. A Via Dutra, que leva ao Rio, registrou 20 km de congestionamento durante a manhã na altura de Taubaté.

De avião. O Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, bateu na última quinta-feira o recorde de movimentação de passageiros. Ao todo, 131.130 pessoas embarcaram e desembarcaram nos três terminais no feriado da Proclamação da República, número 26% maior do que no mesmo período do ano passado.

Segundo a concessionária GRU Airport, que administra o aeroporto, foram realizados nesta sexta-feira 959 voos, entre pousos e decolagens. Ainda de acordo com a concessionária, o recorde anterior foi registrado em 19 de julho deste ano, com movimento de 116,9 mil passageiros e 840 pousos e decolagens.

À noite, os passageiros que se dirigiam ao aeroporto ainda enfrentavam 20 km de lentidão pela Via Dutra, apenas na saída da capital. / COLABORARAM CAIO DO VALLE e REGINALDO PUPO, ESPECIAL PARA O ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.