Filipe Araujo/AE
Filipe Araujo/AE

Paulistano troca segundo carro por bicicleta elétrica

Silenciosas e não poluentes, bikes poupam tempo e dinheiro; equipamento custa de R$ 2 mil a R$ 12 mil e tem autonomia de 40 km

William Cardoso, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2012 | 03h03

É cada dia mais comum topar com uma bicicleta elétrica nas ruas de São Paulo - elas começaram a virar uma opção ao segundo carro das famílias. Economia de tempo e dinheiro estão entre os motivos de quem decidiu fazer o trajeto entre a casa e o trabalho com menos esforço do que em uma bike comum. E sem queimar combustível. O único receio ainda é o trânsito violento da capital.

Um pequeno motor elétrico e um pouco de disposição fizeram o compositor Fabio Góes, de 36 anos, deixar o carro com a mulher no início do ano e encarar em uma bicicleta as ladeiras da Vila Madalena, na zona oeste, para chegar ao trabalho, no mesmo bairro. "Com uma bike comum, teria de tomar banho e trocar de roupa. Criaria um incômodo que poderia me fazer desistir em pouco tempo", diz. "Por isso, optei pela bike elétrica."

Góes notou também que o tempo de casa ao trabalho diminuiu. "De carro, demorava 20 minutos, por causa das voltas e do trânsito. Com a bike, faço outro caminho e gasto cinco minutos." O automóvel ficou para os passeios de fim de semana com a mulher e os filhos.

Mas o trânsito assusta os parentes de quem pedala entre carros, ônibus e motos. A bicicleta deixa o condutor mais exposto do que um veículo fechado. "Os mais velhos mostram um medo maior de que aconteça algo comigo. Perguntam se uso capacete, se tomo cuidado", reconhece o compositor.

Como Góes, o dentista Filipe Valente, de 42 anos, também deixou o carro com a mulher e comprou uma bike elétrica há um mês. "Ela até já está pensando em comprar uma", conta.

Valente leva 20 minutos de Perdizes, na zona oeste, até o Itaim-Bibi, na sul, onde trabalha. "Às vezes, ficava até 40 minutos só para atravessar a (Rua Doutor) Renato Paes de Barro. Faço esse trecho agora em cinco minutos", conta, satisfeito.

Ele destaca como pontos positivos a economia com estacionamento e impostos: pode-se deixar o equipamento - isento de Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) - preso a postes, por exemplo.

O dentista diz que não faz exercícios há seis anos. Assim, o motor serviu para compensar a sua falta de preparo físico. Na maioria dos casos, as bicicletas elétricas têm "pedal assistido". Ou seja, o usuário precisa apenas pedalar para acionar o mecanismo que dá impulso para atingir a velocidade desejada ou ajuda a subir uma ladeira, por exemplo.

Veloz. A autonomia fica em torno de 30 km a 40 km por carga (na tomada mesmo) de 4h a 8h. E a velocidade, próxima dos 30 km/h, varia de acordo com o terreno e o peso do condutor. Potência, autonomia e durabilidade influenciam no preço das bikes elétricas, que vai de R$ 2 mil a R$ 12 mil. Mas, atenção: elas pesam, em média, o dobro de uma bicicleta comum, que tem em torno de 12 kg.

O tipo de bateria é um dos fatores que podem elevar o custo. As de lítio, que vêm sendo cada vez mais usadas, são as mais caras. Pesam, porém, até cinco vezes menos do que as de chumbo. A vida útil desse componente gira em torno de dois a três anos, algo que deve ser considerado no custo final: a bateria nova, de lítio, sai entre R$ 1 mil e R$ 1,5 mil.

Recarregar diariamente implica ao ciclista um acréscimo de R$ 30 a R$ 40 na conta de energia no fim do mês.

De acordo com a Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), estima-se entre 15 mil e 20 mil bikes desse tipo no Brasil.

Segundo o presidente da ABVE, Pietro Erber, o que encarece a bike elétrica é o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), de cerca de 35% (nas bicicletas comuns, é de 12%). "Potencialmente, poderíamos chegar a ter 50 mil bicicletas de imediato. Na China, há dois anos, vendiam mais de 11 milhões por ano."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.