Epitácio Pessoa/Estadão
Epitácio Pessoa/Estadão

Paulistano ganha 38 minutos por dia com faixa exclusiva, diz Haddad

Estudo mostra ainda que cerca de 20 mil pessoas foram atraídas para sistema de ônibus; lentidão, na média, piorou 7,6%

Caio do Valle e Paulo Saldaña, O Estado de S. Paulo

20 Dezembro 2013 | 11h14

SÃO PAULO - Um estudo da Prefeitura de São Paulo divulgado nesta sexta-feira, 20, mostra que as faixas exclusivas de ônibus fazem com que o paulistano que utiliza o transporte público economize 38 minutos por dia. A informação foi dada pelo prefeito Fernando Haddad (PT). Além disso, o levantamento mostra que os ônibus têm atraído mais passageiros ao sistema -- em dezembro, um acréscimo de 20 mil pessoas por dia, em média. Já a lentidão do trânsito piorou.

"Estamos devolvendo para o cidadão o que ele tem de mais precioso, que é o tempo", disse ele, em evento na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Ao mesmo tempo, na sede da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), no centro, o secretário dos Transportes de Haddad, Jilmar Tatto, detalhava o balanço.

De acordo com ele, a velocidade das faixas aumentou, em média, de 14,2 km/h para 20,6 km/h, levando-se em consideração o total de 291 km de faixas exclusivas já criadas neste ano. O início da medição foi feito a partir de 28 de novembro e o encerramento, na segunda-feira, 16.

Ao todo, 3 milhões dos 4,5 milhões de usuários de coletivos registrados diariamente, em média, têm sido beneficiados com economia de tempo nas faixas exclusivas.

Sobre o acréscimo de passageiros ao sistema, a Prefeitura informou que, na média, nos dias úteis de dezembro 5.755.831 passageiros pagantes têm usado os coletivos da São Paulo Transporte (SPTrans), ante 5.735.356 no mesmo mês de 2012, um acréscimo de cerca de 20 mil pessoas.

Tatto disse que esse ligeiro aumento vem sendo notado desde setembro. Mas afirmou que ainda não é possível saber se esses novos usuários vêm do carro, do Metrô ou dos trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

Custos. O secretário Tatto também disse que até agora em 2013 gastos R$ 15 milhões com a instalação dos quase 300 km, ou seja, R$ 50 mil por quilômetro. "Faixa exclusiva não é só pintar. Tem um projeto por trás e algumas obras de geometria", afirmou Tatto.

A zona leste é a região da cidade onde mais foram instaladas faixas exclusivas -- um total de 117,9 km (ou 40,5%) --, seguida pelas zonas sul (76,4 km, ou 26,2% de todas), norte (40 km, 13,7%), oeste (31,3 km, 10,8%) e centro, onde foram colocados 25,8 km, o que representa 8,8%.

Lentidão. Os dados da Prefeitura ainda mostram que, embora a velocidade dos ônibus tenha aumentado 45,1%, a do trânsito em geral piorou 7,6% em relação a 2012. Os números se referem ao período entre janeiro e novembro de ambos os anos. Nesse recorte de tempo, em 2013 os congestionamentos atingiram média diária de 142 km, ante 132 km em 2012 e 116 km em 2011.

"O aumento da extensão das lentidões subiu apenas 7,6%, quer dizer, é quase metade do índice de crescimento que teve de 2011 para 2012 (quando a cidade ainda não tinha muitas faixas exclusivas). O que a gente percebe é que aquilo que se imaginava do impacto das faixas exclusivas, com a redução do espaço do automóvel, que isso fosse representar uma explosão da lentidão da cidade, as medições mostram que não", disse Ronaldo Tonobohn, superintendente de Planejamento da CET.

No ano que vem, a gestão Haddad pretende abrir um número menor de faixas exclusivas para ônibus. Pelos cálculos atuais, elas devem chegar a 50 km. Contudo, Tonobohn diz que, com o tempo, esse patamar poderá variar para cima ou para baixo, conforme os novos estudos de demanda forem atualizados.

Tatto afirmou que existem vias, como a Rua Augusta e a Avenida Giovanni Gronchi, que estão na mira da Prefeitura para receber faixas. Contudo, ainda não existe certeza sobre a instalação do mecanismo nesses locais devido à sua estreiteza, com poucas faixas para o resto dos veículos.

Marginal do Pinheiros. Das grandes vias avaliadas no estudo, a que registrou o pior desempenho nos congestionamentos foi a Marginal do Pinheiros. Nessa avenida, a lentidão em outubro foi 12% maior do que no mês anterior. Desde junho, quando foram instalados 17,4 km de faixas exclusivas na via, os engarrafamentos vêm subindo.

Entretanto, em outras grandes avenidas onde foram colocadas faixas, como a Radial Leste, que recebeu 12,2 km de faixas este ano, o impacto não foi tão grande. Em outubro, quando 11,1 km foram instalados, o trânsito ficou 7% que setembro.

Já na Avenida 23 de Maio, que recebeu 10,7 km de faixas (a maior parte em agosto), os índices de congestionamento ficaram estáveis. De setembro a outubro, houve, inclusive, queda de 6% na lentidão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.