Paulista vai ganhar um jardim tropical

Revitalização do canteiro central da via, que deverá terminar até o início de 2013, inclui plantação de palmeiras e até de cáctus bola

ADRIANA FERRAZ, O Estado de S.Paulo

17 Outubro 2012 | 03h03

Saem as azaleias, mortas pela falta de manutenção adequada, e entram espécies capazes de suportar o vaivém do corredor viário mais famoso de São Paulo. O novo projeto de revitalização do canteiro central da Avenida Paulista, na região central, promete transformar o espaço em um jardim tropical, com direito à plantação de bromélias, lírios, cáctus bola, yucas e palmeiras, emolduradas por pedriscos e cascas de madeira.

Idealizado pelo paisagista Marcelo Queiroz, o projeto resulta de uma parceria firmada entre a Prefeitura e o HCor, que assumirá os custos. A expectativa é de que o Hospital do Coração gaste até R$ 250 mil por ano apenas com manutenção. "O serviço será feito diariamente por quatro jardineiros, que trabalharão preferencialmente à noite, por causa do trânsito. Se preciso, usaremos caminhão-pipa para regar o jardim", diz Queiroz.

Segundo o paisagista, o objetivo é montar um "jardim de contemplação", comum em condomínios de luxo, que chame a atenção das milhares de pessoas que passam por dia pela avenida, sejam elas pedestres ou motoristas. "Vamos plantar 72 mil mudas de grama amendoim no canteiro central e em algumas floreiras da calçada. Além de mais bonita pela flor amarela que produz, esse tipo de grama dá menos trabalho no processo de manutenção. Pode ser aparada só com tesoura de jardineiro."

A escolha, desde a base do jardim às mudas de flores, visa a aumentar o tempo útil do novo canteiro. Queiroz afirma que os prédios da Paulista bloqueiam o vento e tornam o ambiente uma espécie de forno para as plantas. "A temperatura é muito alta, o que exige muito cuidado na conservação. Além disso, temos de considerar que a avenida é usada para grandes eventos, como a Parada Gay e o réveillon. Isso também requer bom planejamento na instalação e manutenção da área verde", afirma.

A expectativa é de que o trabalho de instalação do novo jardim, que começou na semana passada com a retirada das azaleias e a preparação do terreno, termine no fim do ano ou no início de 2013. O acabamento requintado, caracterizado por pedras e casas de madeira, deverá ser o destaque do projeto, segundo Queiroz. "Vai parecer jardim de prédio de alto padrão."

Zeladoria. O investimento em melhorias na Avenida Paulista é assegurado ainda, segundo a Subprefeitura da Sé, pelo trabalho constante de zeladoria. A Secretaria Municipal de Coordenação das Subprefeituras afirma que investe R$ 500 mil por mês na limpeza da via. Diariamente, 24 funcionários realizam a varrição de toda a extensão da Paulista. O serviço é realizado até dez vezes por dia, o que rende uma média de 800 quilos de detritos.

A administração informa ainda que o corredor foi contemplado, em 2008, com a troca de todo o calçamento. "Os 55 mil m² receberam placas de concreto moldado in loco com juntas de dilatação e cerca de 200 rampas de acessibilidade foram implementadas", informa a pasta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.