Tiago Queiroz / Estadão
Tiago Queiroz / Estadão

Paulista à noite vira 'passarela do álcool'

Comércio ambulante clandestino de bebidas aceita cartões e atende até adolescentes

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

14 Maio 2018 | 03h00

Se, ao longo dos dias de domingo, a Avenida Paulista aberta para pedestres já se consolidou como uma opção de lazer para toda a cidade, ao anoitecer, quando o sol, a maior parte do público e a fiscalização vão embora, o que tem ficado ali é uma passarela livre para o comércio ambulante clandestino de bebidas alcoólicas. São vendidas até para adolescentes e com pagamento em cartões de débito e crédito. 

Ontem, fileiras de ambulantes transitavam livremente após as 17 horas. “O rapa (a fiscalização) até vem, toma toda nossa mercadoria, mas a gente precisa trabalhar, né?”, disse ao Estado um ambulante de 39 anos, que só negou vender álcool a menores. 

Após o sol se pôr, o perfil dos frequentadores da Paulista muda. Saem famílias, casais e grupos de amigos mais velhos, ficam os mais jovens, interessados em esticar a noite e beber. Os focos – já conhecidos – são a esquina da Paulista com a Rua Augusta e o vão livre do Masp.

“A Paulista virou um vale-tudo. Pode se vender de tudo. Quem compra não sabe o que tem dentro dessas garrafas. É um problema de segurança, mas também de saúde pública. O comércio ambulante está totalmente fora de controle”, diz a conselheira da Sociedade dos Amigos, Moradores e Empreendedores do Bairro de Cerqueira César (SAMORCC) Célia Marcondes. Ela reclama ainda que os músicos ficam muito perto dos prédios residenciais. 

Artesãos. Os vendedores ambulantes regulares, que fazem comércio de artesanato, não gostam da concorrência. E reclamam que a fiscalização não mira os vendedores de álcool. “Ontem, veio o primeiro fiscal e eu mostrei minha autorização. Então veio o segundo, e mostrei a autorização. No terceiro, ele disse ‘OK, você está autorizada, mas esses cabides, do jeito que estão, são irregulares. Vou apreender tudo’. Só não tive um prejuízo enorme porque as pessoas viram a cena e ficaram do meu lado”, contou a ambulante Viviane Cristina Machado, de 42 anos. 

O prefeito regional da Sé, Eduardo Odloak, disse que, só ontem, foram feitas 120 apreensões na Paulista. Ele reconheceu que os vendedores de álcool são mais ágeis, difíceis de serem fiscalizados, mas prometeu mais rigor. Disse ainda que vai regulamentar a atuação dos músicos, que ficarão restritos a prédios comerciais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.