Patrulhamento noturno é reforçado em Pinheiros e Itaim Bibi

Após arrastões em restaurantes, Operação Refasto quer evitar nova onda de assaltos

William Cardoso,

16 de fevereiro de 2012 | 14h05

SÃO PAULO - Depois dos dois arrastões em restaurantes da região no início desta semana, a Polícia Militar decidiu reforçar a partir desta quinta-feira o patrulhamento noturno em Pinheiros e no Itaim Bibi. A intenção é evitar que os bairros sofram uma nova onda de assaltos, como ocorreu no primeiro semestre do ano passado.

Numa primeira fase, a Operação Refasto contará com a realocação de policiais dentro da área do próprio 23º Batalhão, responsável por partes das zonas oeste e sul da capital. Entre as 18h e a 0h, eles deverão circular por pontos críticos, onde se concentram os bares e restaurantes da região. Haverá também o apoio de quatro viaturas da Força Tática e de outros 24 policiais em motos, das Rondas Ostensivas com Apoio de Motocicletas (Rocam).

Segundo o capitão Eliel Pedro Thomazi Romero, porta-voz do 23º BPM, não está descartada a participação de policiais de outros batalhões da cidade na operação. "Se for necessário, teremos uma segunda fase com apoio do Comando de Policiamento da Capital. Serão deslocadas viaturas de acordo com análises técnicas na área".

A PM pretende também fazer bloqueios em ruas da região, abordando os motoristas, o que deve aumentar também a fiscalização sobre o cumprimento da Lei Seca. "Às vezes, a pessoa é parada para mostrar os documentos do carro e está com uma latinha de cerveja na mão".

Os policiais deverão procurar também os donos de bares e restaurantes para colher informações e dar dicas de segurança. Para os clientes, a PM também dá algumas orientações. "A gente pede que as pessoas evitem sair com bens muito caros, aparelhos eletrônicos e dinheiro. Isso realmente chama a atenção dos bandidos."

Histórico. Segundo o capitão, a PM já estava atenta à atuação das quadrilhas que assaltam bares e restaurantes em Pinheiros e no Itaim. Os arrastões na Nello's Cantina e Pizzeria, em Pinheiros, e no Clos de Tapas, na Vila Nova Conceição, foram o estopim para o início da operação policial.

No ano passado, justamente nesse período, houve um aumento no número de arrastões. "É sazonal, porque o comportamento do cidadão muda nessa época. Com a proximidade do Carnaval, ele sai para beber e se divertir, e fica mais sujeito a ser assaltado", disse Thomazi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.