Patrulhamento nas marginais Tietê e Pinheiros prende 18 em um mês

Vigilância é realizada 24 horas por dia desde 21 de julho

estadão.com.br,

22 de agosto de 2011 | 12h42

SÃO PAULO - Dezoito pessoas foram detidas no primeiro mês após a criação do policiamento especializado em patrulhar exclusivamente os 43 quilômetros das marginais da capital paulista, de acordo com balanço da Secretaria de Segurança Pública (SSP) divulgado neste domingo.

 

O patrulhamento é realizado 24 horas por dia, desde o último dia 21 de julho, nos 43 quilômetros das marginais do Tietê e do Pinheiros. Há 54 pontos de monitoramento e, nos horários de maior movimentação, são disponibilizadas 46 viaturas.

 

Segundo o levantamento, entre as 18 pessoas detidas 13 são adultos e cinco menores (apreendidos). No domingo, a Polícia Militar prendeu em flagrante um procurado por roubo, na ponte da Vila Guilherme, na zona norte da cidade. Os roubos nas vias, a principal preocupação da Polícia e o que atormentava os motoristas, praticamente desapareceram, de acordo com o boletim.

 

Um mapeamento foi realizado nos principais locais em que ocorriam incidentes. O policiamento foi dividido em 54 pontos, com cinco bases fixas estratégicas com policiais durante 24 horas. O policiamento é intensificado nos horários de pico, período em que registra 90% da circulação de carros de todo o dia. Nesse horário, o trânsito acaba parando, o que facilita a ação de criminosos.

 

Por dia, circulam mais de 1 milhão de veículo nas duas vias, em média, 700 mil na Marginal Tietê e 350 mil na Pinheiros e para garantir a segurança dos motoristas, foram empregados 160 policiais militares da 3ª Cia do 2º BPTran e 120 policiais dos Batalhões da área, totalizando um efetivo de 280 Pms. Os policiais contam com o apoio de 48 motos, 10 viaturas e do helicóptero Águia.

 

Explosivos. Na noite de quinta-feira, policiais encontraram um artefato explosivo próximo à ponte da Casa Verde, na Marginal do Tietê. De acordo, com o sargento Edson Rodrigues, do 13º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano (BPM/M), "é um pó químico usado na fabricação de explosivos para pedreiras", explicou. Policiais do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) recolheram o material inerte e parte da via que havia sido interditada foi liberada.

 

Além do patrulhamento, a PM criou ainda uma conta no Twitter e no Facebook para informar diretamente os usuários sobre condições do trânsito e acidentes, além de receberem denúncias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.