Passou da hora de se criar uma avaliação nacional

Para especialista da Faculdade de Medicina da USP, exame mais amplo precisa discernir competências e habilidades de quem cuida da saúde e da vida das pessoas

Mário Scheffer *, O Estado de S.Paulo

23 Fevereiro 2018 | 03h01

O exame do Cremesp é um instrumento confiável de avaliação do ensino médico, porém de alcance limitado, pois testa apenas os médicos que pretendem exercer a profissão no Estado de São Paulo. Há ressalvas ao resultado mais satisfatório deste ano. Desde que uma entidade representativa das escolas privadas ganhou ação judicial contra a exigência de participação, o exame voltou a ser facultativo, o que, em tese, pode levar à evasão daqueles que se acham menos preparados.

A prova está longe de ser difícil, pois pede o conhecimento básico que deve ser de domínio de todos que se formam em Medicina. Por isso é um escândalo o fato de quase 80% dos participantes terem errado o diagnóstico laboratorial de diabete.

+++ Pela 1ª vez em 10 anos, mais de 60% dos recém-formados são aprovados em exame do Cremesp

A péssima formação de parte dos recém-graduados assume proporções dramáticas no Brasil desde que a Lei do Mais Médicos induziu a abertura de 100 novos cursos. Passou da hora de uma avaliação nacional capaz de discernir competências e habilidades de quem cuida da saúde e da vida das pessoas.

*É professor da FMUSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.