FELIPE RAU
FELIPE RAU

Passarela em Congonhas é reaberta após receber investimento de R$ 6,7 milhões

A passarela, de 1974, é de autoria do famoso arquiteto paranaense Vilanova Artigas e o processo de reconstrução se arrastou por quase 17 anos

Luiz Fernando Toledo, Estadao Conteudo

27 Dezembro 2017 | 08h38

Após dois anos fechada, a passarela para pedestres que dá acesso ao Aeroporto de Congonhas, na Avenida Washington Luís, zona sul de São Paulo, foi reaberta nesta terça-feira, 26. O local havia sido interditado por risco de desabamento.

Por dia, cerca de 3 mil pessoas passam sobre a estrutura, batizada de Comandante Rolim Amaro. A passarela provisória será desmontada. Segundo a Prefeitura, a requalificação do entorno deve ser inaugurada na segunda quinzena de janeiro. Haverá uma praça de 262 metros quadrados - com paraciclos e espreguiçadeiras - em um dos acessos da nova estrutura.

A passarela, de 1974, é de autoria do arquiteto paranaense Vilanova Artigas e o processo de reconstrução se arrastou por quase 17 anos. Quando a estrutura foi interditada, em 2015, metade do corpo metálico estava comprometido.

+Fortes chuvas provocam cancelamentos de voos da Latam em Congonhas

A revitalização custou R$ 6,7 milhões, obtidos por meio de uma parceria entre a Prefeitura, a Associação dos Amigos da Passarela (Aspa) e um grupo de empresas privadas.

Segundo a Prefeitura, a nova passarela é adaptada às normas de acessibilidade, com dois elevadores que possibilitarão o acesso de pessoas com necessidades especiais, iluminação e cobertura em todo o percurso, com rampas de acesso nas calçadas, corrimãos e guarda-corpos em duas alturas.

+Governo vai injetar R$ 212,4 milhões em 11 aeroportos regionais

Haverá ainda faixa de sinalização visual nos degraus das escadas, sinalização em braile e piso tátil direcional e de alerta. Serão instaladas também sinalizações e placas direcionais. A altura entre a avenida e a base da passarela também aumentou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.