Paulo Liebert/AE
Paulo Liebert/AE

Passagens de metrô e trem devem subir a R$ 2,85

Governador vai decidir o preço final da tarifa, que pelo segundo ano consecutivo será menor que a do ônibus; secretaria planeja 7,6% de aumento

Bruno Ribeiro, Elvis Pereira e Tiago Dantas, O Estado de S.Paulo

08 Fevereiro 2011 | 00h00

As passagens de metrô e de trem devem subir para R$ 2,85 até o fim do mês. Foi o que indicou ontem o secretário de Estado dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes. Segundo ele, embora o preço final da tarifa não esteja decidido, o porcentual de ajuste estudado pelo Metrô é de "7,6% ou 7,62%". A passagem unitária custa hoje R$ 2,65.

As especulações sobre o preço final da tarifa já duram um mês e ocorrem porque, nos últimos três anos, o reajuste teve data marcada: 9 de fevereiro. O secretário não confirmou se o reajuste será amanhã. "Será em fevereiro", disse. A inflação acumulada nos últimos 12 meses variou entre 6,4% e 11%, segundo diferentes índices. O aumento seria baseado no IPC (6,4%), calculado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe)

Fernandes disse que a decisão sobre o reajuste está nas mãos do governador Geraldo Alckmin (PSDB). "Muita gente tem me perguntado se não será R$ 3 (preço do ônibus). Não tenho nenhum argumento técnico que justifique um aumento desse. Se não tenho argumento técnico, também não há argumento político (para o governador aumentar ainda mais o preço)."

Técnicos do Metrô mandaram planilhas com cálculos para o reajuste à secretaria na semana passada. "Demora, porque tem a EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos, que opera ônibus intermunicipais). É preciso fazer o cálculo separado das linhas."

A previsão de reajuste incomodou passageiros. "Não vale pagar tudo isso. É uma tristeza pegar metrô, está tudo lotado", diz o bancário Washington Cardoso, de 48 anos. Ele terá de desembolsar mais R$ 100,80 por ano com transporte.

Este será o segundo ano seguido que a tarifa de ônibus ficará mais cara que a de metrô. O ônibus subiu 11,11% em janeiro, de R$ 2,70 para R$ 3.

O secretário Fernandes diz que o cálculo do metrô não leva em conta a compra de trens nem a construção de estações no reajuste da tarifa - isso entra como investimento direto do Estado. O mesmo vale para o subsídio dado à Companhia Paulista de Trens Metropolitanos. O recurso, R$ 400 milhões, não vem da tarifa. Na Prefeitura, subsídios e renovação da frota entram na conta na hora de calcular a tarifa do ano seguinte.

O professor de Engenharia de Trânsito da Unesp José Bento Ferreira aponta outro fator para a diferença de preço. Diz que em São Paulo o ônibus é menos eficiente que o Metrô. O tempo parado no trânsito acaba por fazer os veículos gastarem mais em combustível e manutenção.

CRONOLOGIA

Os aumentos desde 1996

Junho de 1996

A tarifa do metrô sobre de R$ 0,80 para R$ 1, um aumento de 25%

Junho de 1997

Dois anos depois, o bilhete vai a R$ 1,25. O índice de reajuste é de 25%

Agosto de 1999

Os passageiros do metrô passam a pagar R$ 1,40

Julho de 2001

O bilhete unitário do metrô sobe para R$ 1,60

Janeiro de 2003

Com um reajuste de 18,7%, a passagem vai a R$ 1,90

Março de 2005

O bilhete vai a R$ 2,10

Novembro de 2006

Aumento de 9,5% eleva a passagem a R$ 2,30

Fevereiro de 2008

O bilhete passa a custar R$ 2,40 (4,3% de reajuste)

Fevereiro de 2009

O governo define um reajuste de 6,3% e a tarifa sobe para R$ 2,55

Fevereiro de 2010

O bilhete único sobe para R$ 2,65 e pela primeira vez o metrô fica mais barato que os ônibus municipais, na época a R$ 2,70. Essa tarifa ainda está em vigor

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.