Passageiros sem assistência

TAM - FUNCIONÁRIOS DESPREPARADOS

O Estado de S.Paulo

21 de novembro de 2012 | 02h03

No dia 10 de outubro o Aeroporto de Porto Alegre sofreu interrupção de atividades, entre 16h15 e 19h35, em razão de acidente com uma aeronave. O voo em que estava embarcando teve seu próprio problema técnico minutos antes disso. Além do atraso, os funcionários da TAM agiram com descaso em relação aos passageiros. Havia a promessa de embarque prioritário, o que não ocorreu - vários voos marcados para depois do nosso partiram sem que fôssemos realocados. E tivemos de ouvir diversas mentiras dos funcionários da TAM. E, assim, ficamos mais de 5 horas no aeroporto, sem nenhuma assistência da TAM. Perdi tempo, compromissos e tive vários prejuízos.

JOÃO COTRIM / SÃO PAULO

A TAM, por meio do Fale com o Presidente, informa que entrou em contato com o sr. Cotrim para dizer que não há nada que a companhia possa fazer para minimizar o que ocorreu em 10/10. Muitas vezes o motivo que leva ao atraso ou ao cancelamento do voo foge ao controle das companhias aéreas, como no caso da interdição da pista para pousos e decolagens. A TAM viu que foi justamente nesse ponto que falhou, já que a equipe do Aeroporto de Porto Alegre não prestou a devida assistência ao sr. Cotrim. Caso o cliente tenha tido algum gasto extra na ocasião da viagem mencionada, deve enviar comprovantes para análise ao e-mail atendimento.fale@tam.com.br, informando o número do processo no Fale com o Presidente.

O leitor responde: A interdição escondeu o real problema, pois teríamos embarcado antes do fechamento do aeroporto se a aeronave estivesse em condição satisfatória; a equipe de Porto Alegre mente sem o menor pudor. E, apesar de todos os transtornos, a TAM não oferece qualquer tipo de compensação.

CORTE DE ÁRVORE

Autorização questionada

Há 1 ano e meio foi plantada uma muda de árvore na calçada vizinha bem em frente de minha casa. Cuidamos da muda, porém a dona do imóvel reformou a calçada e resolveu retirar a árvore. Alertei-a de que era crime cortá-la, como me informaram no 156, sem a avaliação de um engenheiro da Prefeitura. Mas, para minha surpresa, no dia 7/11 um funcionário da subprefeitura foi ao local e retirou a árvore, alegando que a dona do imóvel solicitara o serviço. Quem autorizou a retirada?MARCOS ORESTES / SÃO PAULO

A Subprefeitura Casa Verde esclarece que em vistoria realizada no local foi constatado que a muda não é caracterizada como vegetação de porte arbóreo. Sendo assim, de acordo com a Lei municipal 10.365/87, não necessita de autorização para remoção. Considera-se vegetação de porte arbóreo somente aquela composta por espécies com diâmetro do caule à altura do peito superior 0,05 m. A muda retirada teria 0,02 m. É importante ressaltar que para a realização de plantio ou remoção de árvore é necessário o acompanhamento do engenheiro agrônomo da Subprefeitura. Ele é capacitado para identificar e orientar a melhor espécie a ser plantada, assim como avaliar a necessidade ou não da remoção de árvores.

O leitor questiona: Gostaria de saber então por que a subprefeitura plantou a muda?

FALTA DE FISCALIZAÇÃO

Confusão na Rua Molière

Moro na Rua Molière e gostaria de solicitar que a CET tomasse alguma providência com relação ao trânsito local. Nos horários de pico é praticamente impossível entrar ou sair de casa. Começa pelo supermercado, que, apesar da placa de proibido estacionar, reiteradamente mantém caminhões parados na rua, tomando muito do parco espaço disponível. Passa por uma escola, que possui unidades dos dois lados da rua. Igualmente, apesar das placas de proibido estacionar, carros de pais vivem estacionados. À parte isso, é uma bagunça o que fazem, com carros andando na contramão para buscar seus filhos, pessoas atravessando sem olhar. Peço que a CET, ao menos, coloque algum agente para fiscalizar. Nunca vi um ali e a situação está insuportável.

ANTONIO CLEBER DIAS TEIXEIRA FILHO / SÃO PAULO

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) informa que a Rua Molière está incluída no programa de fiscalização periódica da Companhia, que visa a coibir o desrespeito às regras de trânsito previstas no Código de Trânsito Brasileiro. Entre 1º/10 e 8/11 foram feitas 18 autuações no local e 41 remoções, quando o motorista acata a orientação do agente de trânsito e remove o veículo da situação irregular espontaneamente, sem necessidade de multa. Sempre que necessário, a população pode acionar a CET pelo 1188 para relatar irregularidades e acionar equipes.

O leitor diz: Pôr à disposição um telefone, no qual não se consegue fazer reclamações, não ajuda muito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.