Passageiros atiram bombas caseiras em estação da CPTM

PM usou gás de efeito moral, bomba lacrimogêneo e bala de borracha para afastar as pessoas

William Cardoso,

29 Março 2012 | 14h35

SÃO PAULO -  Um grupo de usuários da CPTM incendiou bilheterias, quebrou catracas e câmeras de segurança da estação Francisco Morato da Linha 7-Rubi da CPTM, na manhã desta quinta-feira, 29.

A Polícia Militar foi chamada para controlar a multidão. Durante o tumulto, guardas da CPTM usaram gás de pimenta dentro da estação e uma criança, de 8 anos, acabou se sufocando e precisou ser socorrida por um cabo da PM.

O tumulto aconteceu, por volta das 7h da manhã, quando cerca de mil pessoas conseguiram forçar a entrada na estação, que tinha os portões fechados pelos guardas por causa da grande quantidade de usuários dentro do local.O chefe da estação tentou se abrigar dentro de uma sala para fugir do tumulto, mas foi atingido por uma pedra na cabeça.

A PM tentou retirar as pessoas do local, mas os usuários sendo empurrados para fora, revidaram com pedradas e bombas caseiras. Os telhados da estação estão com buracos por causa das bombas.

A polícia usou gás de efeito moral, bomba lacrimogêneo e bala de borracha para afastar as pessoas. Por causa do tumulto, a população fechou as principais ruas da região.

A onda de vandalismo continuou nos arredores da estação. Segundo testemunhas, um grupo de 40 a 50 pessoas atirou uma bomba a 800 metros do local. Os comerciantes, com medo de novos confrontos entre policiais e a população, fecharam as portas. Cinco pessoas foram presas, 4 homens e 1 mulher. Duas possuíam bombas caseiras.

A situação foi normalizada por volta das 10h, e, desde então, as portas da estação estão fechadas e os funcionários da CPTM tentam limpar o local. Não há previsão de reabertura da estação Francisco Morato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.