JF DIORIO/Estadão
JF DIORIO/Estadão

Partido de Russomanno, PRB deixa a base de apoio a Doria na Câmara

Legenda argumenta 'deslealdade' do Executivo após perda de cargos; líder tucano "lamenta" decisão

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

04 Dezembro 2017 | 17h47
Atualizado 04 Dezembro 2017 | 18h44

SÃO PAULO - O PRB, partida do pré-candidato ao governo de São Paulo Celso Russomanno, deixou a base de apoio ao governo de João Doria (PSDB) na Câmara Municipal, onde possui quatro assentos. A medida é uma resposta à decisão do Executivo de demitir funcionários que ocupavam cargos em comissão por indicação da legenda, após o governo avaliar que o PRB vinha agindo para barrar a votação de projetos de lei de interesse de Doria, especialmente a privatização do complexo do Anhembi. As demissões atingem principalmente o vereador Souza Santos (PRB).

O presidente municipal do PRB, Aildo Rodrigues, afirmou que "o governo foi desrespeitoso, deselegante, radicalizou na questão, exonerando na calada da noite nosso pessoal sem nos chamar para conversar, para compor. Sem dizer do descontentamento. Isso causou internamente no PRB um desconforto muito grande", afirma.

Rodrigues diz que a legenda não irá, necessariamente, para a oposição, mas terá uma atuação "independente" daqui para a frente. "Entendemos o recado como se o PRB não tem nenhuma importância para o governo municipal, não tem nenhuma importância para futuras composições para 2018", continuou Rodrigues, ao comentar o impacto da decisão nas negociações para as alianças no ano que vem. Tanto o PRB quanto o PSDB devem ter candidatos próprios, o pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda, 4, coloca Rossomanno como líder em todos os cenários pesquisados. Ele afirma, entrentato, que novos diálogos podem ocorrer. 

O secretário da Casa Civil municipal e vice-prefeito, Bruno Covas, afirmou, por meio de sua assessoria, que "o governo entende que o PRB já havia deixado a base muito antes das exonerações, ao ajudar na obstrução de projetos de lei considerados extratégicos pela administração". Ainda segundo Covas, "o afastamento, portanto, iniciou-se por conta da atuação eles, e não devido às exonerações".

Votações. Líder do governo Doria na Câmara, o vereador Aurélio Nomura (PSDB) lamentou a saída do partido. "Mas ainda temos 40 votos, mais do que o necessário para a aprovação de nossos projetos", afirma. Para autorizar a venda do Anhembi e do Autódromo de Interlagos, o Executivo precisa de 28 votos (a Câmara tem 55 vereadores). Entretanto, para aprovar projetos relacionados às privatizações, em especial os projetos urbanísticos que alteram regras do Plano Diretor na área ao redor desses complexos, a votação fica mais apertada: o executivo precisa de dois terços da Câmara, ou 37 votos favoráveis. 

A votação do Anhembi estava marcada para ocorrer nesta segunda-feira. Mas a morte de um irmão do vereador Zé Turin (PHS) derrubou a sessão -- a morte de familiares dos vereadores está prevista entre a razões que suspendem as votações. O Executivo pretende votar o projeto nesta terça-feira, 5. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.