Helvio Romero/Estadão
Helvio Romero/Estadão

Partido de França, PSB é o que mais cresce com janela

PSB ganha 4 deputados e passa à 3ª maior bancada na Alesp; Alckmin diz que governador e Doria têm obrigações com o Estado.

Gustavo Porto e Marcelo Osakabe, O Estado de S.Paulo

03 Maio 2018 | 05h00

Dezesseis dos 94 deputados estaduais da Assembleia Legislativa de São Paulo aproveitaram o período da janela partidária para migrar de partido sem correr o risco de perder o mandato. O número representa 17% do total, segundo dados da Assessoria Técnica da Alesp. O PSB, sigla do atual governador, Márcio França, foi quem mais cresceu no período, saltando de sete para doze representantes.

+ 16% dos deputados aproveitam ‘janela’

A migração coincide com a passagem de bastão no Palácio dos Bandeirantes. No dia 6 de abril o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) deixou o governo para concorrer à eleição presidencial. França assumiu o posto e deve tentar a reeleição. 

Será a primeira vez, desde a eleição de Mario Covas no pleito de 1994, que os tucanos vão disputar eleição no Estado contra o governador. França deve concorrer com o tucano João Doria, que deixou a Prefeitura também em abril para concorrer ao governo. Questionado, no fim do período da janela, sobre a migração dos parlamentares de seu partido, o tucano minimizou. "Faz parte do jogo democrático", disse.

A contagem final mostra que o PSDB foi a sigla que perdeu mais deputados: quatro. Três deles, incluindo o ex-líder de governo Barros Munhoz, foram para o PSB de França. A legenda, no entanto, ganhou outros três e se manteve como a maior bancada da Alesp, com 19 integrantes. Em seguida vem o PT, que perdeu um deputado para o PSOL e ficou com 14.

+ A Janela Partidária e as eleições presidenciais

Com os cinco novos reforços, o PSB ultrapassou o DEM e se tornou o terceiro maior partido na Assembleia, com 12 parlamentares. Os democratas perderam três cadeiras e ficaram com seis.

'Compromisso'

Em Ribeirão Preto, durante visita à 25.ª Agrishow, Alckmin evitou polêmica ao comentar a eventual disputa entre França e Doria pelo seu legado de seu governo. "Os dois têm compromissos importantes", afirmou o ex-governador tucano. "Márcio França com o governo, se preparou para isso, e João Doria é o candidato do nosso partido. Acho que os dois vão fazer avançar ainda mais", concluiu. 

+ ‘Janeleira’, Renata Abreu filiou 14 parlamentares ao Podemos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.