Participação do réu no crime será o centro dos debates

Hoje, na fase de debates, a defesa do goleiro Bruno Fernandes vai tentar convencer os jurados de que seu cliente foi apenas omisso diante do assassinato de Eliza Samudio. A ideia é se fixar no artigo 29 do Código Penal.

O Estado de S.Paulo

07 Março 2013 | 02h05

Ele prevê que uma participação "de menor importância" em um crime pode resultar em redução de um sexto a um terço da pena. "Vou gritar esse artigo no plenário o tempo todo", adiantou Lúcio Adolfo da Silva. O advogado espera conseguir uma pena de 8 a 10 anos para seu cliente, o que permitiria ao goleiro conseguir uma progressão para regime semiaberto, por exemplo, em menos de um ano - considerando o atual tempo de prisão.

Já o Ministério Público Estadual (MPE) vai tentar provar que Bruno não só planejou e ordenou o crime, como também estava presente na casa de Bola no momento do assassinato. O promotor Henry Wagner Vasconcelos afirmou que vai insistir em todas as qualificadoras para o crime e ressaltar que tudo ocorreu "por causa de Bruno, que era quem financiava todos os acusados de envolvimento no crime". /M.P.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.