Parte de casarão usado pelo Bola Preta desaba no Rio

Estado cedeu imóvel em 2009 ao bloco, que já não usava área que ruiu porque tinha rachaduras; 2 ficaram feridos

MARCELO GOMES / RIO, O Estado de S.Paulo

16 de maio de 2012 | 03h07

O segundo andar de um sobrado do fim do século 19 na esquina das Ruas do Lavradio e da Relação, na Lapa, centro do Rio, desabou ontem por volta das 8h15. O imóvel, tombado pelo Patrimônio Histórico do Estado, estava cedido desde 2009 ao Cordão da Bola Preta, o bloco de carnaval mais antigo do Rio. Dois pedestres ficaram levemente feridos.

"O sobrado que desabou era usado como depósito de inservíveis, mas há oito meses estava vazio porque começou a apresentar fissuras e rachaduras", contou o presidente do bloco, Pedro Ernesto Marinho.

A Defesa Civil interditou o restante do imóvel e um restaurante vizinho. "Todos sabiam da péssima situação do sobrado e ninguém fez nada. Não pude abrir o restaurante. Quem vai ficar com o prejuízo?", reclamou a dona, Marizé Jordem, de 50 anos.

O secretário de Conservação e Serviços Públicos, Carlos Roberto Osório, disse que o imóvel foi interditado no dia 3 de março, após vistoria. "Foi feito o isolamento da calçada por causa do péssimo estado de conservação. Os proprietários foram notificados para tomarem as devidas medidas estruturais."

O imóvel pertence à Riotrilhos, empresa vinculada à Secretaria de Transportes. A pasta informou que, pelo contrato de comodato, cabe ao Bola Preta a manutenção do edifício. A prefeitura esperava terminar até o fim da noite de ontem a remoção de entulho e a derrubada da estrutura.

Desabamentos. A reforma do casarão, anunciada em agosto de 2011 pela prefeitura do Rio, estava emperrada por causa de uma briga na Justiça entre o Bola Preta e o Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol), que ocupou o local até 2005. O projeto está orçado em R$ 2,3 milhões.

O imóvel fica a cerca de 1 quilômetro da Cinelândia, onde três edifícios desabaram em janeiro, deixando 19 mortos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.