Divulgação-20/6/2005
Divulgação-20/6/2005

Parques mandam por dia 4 pessoas ao hospital

Grande SP e região de Campinas concentram 92% dos casos; números da Secretaria da Saúde foram divulgados após morte de menina em hotel

Ricardo Brandt, Especial para O Estado,

25 Julho 2012 | 21h56

CAMPINAS - Quatro pessoas foram internadas por dia, em média, vítimas de acidentes em parques de diversão e playgrounds no Estado de São Paulo em 2011. As regiões da Grande São Paulo e de Campinas concentram 92% dos casos. O levantamento foi divulgado nesta quarta-feira, 25, pela Secretaria de Estado da Saúde, dois dias após a morte da menina Inês Schaller, de 4 anos, em um balanço do playground do Grande Hotel São Pedro, em Águas de São Pedro (SP).

Inês brincava quando a viga superior do balanço quebrou e caiu sobre ela. Um inquérito apura falta de manutenção na estrutura.

Das 1.641 pessoas feridas em parques e playgrounds no ano passado, 1.246 ocorreram na região de Campinas e 269, na Grande São Paulo. O supervisor médico do Grupo de Resgate e Atendimento a Urgência (Grau) da secretaria, Gustavo Feriani, atribui essa concentração à presença de grandes parques de diversão, como o Hopi Hari e o parque aquático Wet’n Wild, ambos em Vinhedo, o Playcenter (que encerra suas atividades no domingo) e o Parque da Xuxa, na capital paulista.

Casos de morte como o de Inês e o de Gabriella Nichimura, de 14 anos, que caiu de uma altura de 20 metros de um brinquedo do Hopi Hari no dia 24 de fevereiro são exceção, segundo Feriani. "O que nos surpreendeu foi que 36% dos acidentados eram adultos jovens, na faixa dos 20 aos 39 anos", disse.

Em seguida, vêm adultos entre 40 e 59 anos (25%) e crianças e jovens com até 19 anos (22%). No caso deles, é praticamente uma internação por dia.

Para o médico, a imprudência e o desrespeito a normas de segurança fazem o índice ser mais alto entre os adultos jovens.

A cadeira de balanço, em geral, representa um perigo alto para crianças - por fraturas na coluna e na nuca, quando jogadas para trás; punhos, mãos e braços, quando projetadas para frente; e ao serem atingidas ao passarem na frente desses equipamentos.

No caso do Grande Hotel São Pedro, a viga que sustenta os balanços quebrou e atingiu a garota no tórax. A perícia já apontou envelhecimento do material.

Inquérito. Os depoimentos dos responsáveis pelo hotel foram marcados para segunda-feira. A menina Inês estava no hotel com os pais, a brasileira Maria Isabel Gomes Pereira e o francês Jean Jaques Schaller. Professores na França, eles passariam a semana de férias com os avós maternos da criança. De alto padrão, o hotel informou, por meio de nota, que os brinquedos passam por manutenção frequentemente e foram reformados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.