'Parques em Londres e NY foram inspiração'

A falta de áreas verdes públicas em São Paulo foi a principal razão para a criação do Parque do Ibirapuera, na zona sul. "Em uma cidade pobre de jardins centraes, como era S. Paulo, não poderíamos perder a opportunidade que se nos apresentou de preparar o terreno para um parque em pleno coração da cidade residencial", dizia relatório da Prefeitura, publicado no Estado em 27 de julho de 1930. Mas o local só seria aberto em 1954, nas comemorações do 4.º Centenário.

O Estado de S.Paulo

01 de fevereiro de 2013 | 02h03

O terreno atual veio da junção de duas áreas. Uma com 200 mil m², onde está hoje o Instituto de Biologia, foi adquirida em permuta com o Estado - a capital cedeu um terreno na Água Branca, hoje parque. A outra veio com a retomada judicial da então chamada Chácara do Ibirapuera, ocupada por grileiros. Um laudo provou à época que a tinta usada nos documentos de posse não batia com a data que os papéis apresentavam, muitos do século 18. Assim, a Prefeitura conseguiu 100 alqueires (2,4 mil m²), "meio termo entre o Hyde Park de Londres e o Central Parque de Nova York", continuava o relatório. / CARLOS EDUARDO ENTINI

Ibirapuera: Prefeitura reconheceu falta de jardins ainda em 1930, mas área verde só foi aberta em 1954

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.