DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO
DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO

Parque e Museu do Campo de Marte devem abrir em dois anos, diz Doria

Concessão da área ainda depende de aprovação da Câmara e obras devem ser realizadas por concessionárias

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

24 Outubro 2017 | 14h53

O prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) anunciou na manhã desta terça-feira, 24, o projeto preliminar do Parque Campo de Marte e do Museu Aeroespacial Santos Dumont, que devem ser criados em uma área de 400 metros quadrados junto ao Aeroporto Campo de Marte, no distrito de Santana, na zona norte de São Paulo.

O início das obras depende ainda da publicação de dois Procedimentos de Manifestação de Interesse (PMI), que devem ser publicados até janeiro, da aprovação da concessão da área (dentro de um novo pacote) pela Câmara Municipal e da publicação da licitação. A estimativa municipal é que esse cronograma, junto com as obras, leve ao menos dois anos, com o custo de R$ 250 milhões.

 

+++ Saiba mais sobre o novo parque Campo de Marte

O anúncio ocorreu durante uma coletiva de imprensa realizada na Prefeitura, no centro de São Paulo. No evento, Doria evitou comentar as declarações que fez em agosto de que pretendia desativar os hangares e o Aeroporto de Campo de Marte até 2020.

O presidente da Infraero, Antônio Claret de Oliveira, presente na coletiva, também não comentou o assunto. "Nós entendemos que, para alcançar as duas outras etapas, enquanto essa não estiver consolidada, (falar sobre expansão) enfraquece o projeto original de que o parque seja implantado, com recurso privado, e também o museu" disse Doria.

+++ Transferência do Campo de Marte à prefeitura coloca fim em pendência de 60 anos, diz Doria

O projeto preliminar do parque e do museu foi elaborado pelo arquiteto Benedito Abbud, responsável pelo projeto da Praça Ayrton Senna. Segundo a secretaria municipal de Urbanismo e Licenciamento, Heloísa Proença, o arquiteto foi "convidado" a desenvolver a proposta junto à Prefeitura, de forma gratuita.

Estrutura

As diretrizes propõem a divisão do terreno em quatro áreas: parque (270 mil metros quadrados), museu (80 mil metros quadrados), espaço multiuso (27 mil metros quadrados) e quadras esportivas (40 mil metros quadrados) - que incluem três campos de futebol e dois campos de futebol society. 

O parque trará pistas de corrida e caminhada, além de cachorródromo, ambulatório, redário e espaços para práticas diversas. Na coletiva, Doria ressaltou que o parque será o 108° da cidade - que deve ainda ganhar o Parque do Jockey e o Parque Augusta. 

Dentre as mudanças, estão ainda a implantação de uma ciclovia e a integração de uma pista de pouso com o museu, para que as aeronaves entrem por ela antes de serem expostas. 

Segundo o secretário municipal de Desestatização, Wilson Poit, a mesma empresa poderá ganhar tanto a concessão do parque (junto com as quadras) quanto do museu (integrado com o espaço multiuso). Mais detalhes sobre a licitação ainda estão em definição até a Prefeitura obter os resultados das PMIs.

Dentre as contrapartidas previstas, estão a cobrança de ingresso no museu e de estacionamento, a locação de espaços e o repasse de potencial construtivo. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.