Hélvio Romero/AE
Hélvio Romero/AE

Parque de skatistas não durou quatro meses em São Paulo

Pistas estão com rachaduras e buracos; Subprefeitura responsabiliza Secretaria do Verde e Meio Ambiente

Felipe Oda, do Jornal da Tarde,

18 Junho 2009 | 10h54

Quatro meses depois de inaugurado, o Parque Zilda Natel, conhecido como parque dos skatistas, está fechado para reformas. Localizado na esquina da Avenida Dr. Arnaldo com a Rua Cardoso de Almeida, em Perdizes, zona oeste, custou R$ 7 mil para ser construído. O valor da reforma não foi divulgado pela Secretaria do Verde e do Meio Ambiente (SVMA), que assumiu a área depois da construção do parque.

 

Frequentadores reclamam que as três pistas de skate estavam rachadas e esburacadas, parte do gradil que cerca o local está quebrado e os canos usados nas manobras dos skatistas estão soltos. "A obra não foi feita no capricho. Não é normal em tão pouco tempo o lugar se deteriorar assim", afirma o empresário Luiz Fernando Ghepardi, de 29 anos, skatista.

 

Conselheiro gestor do parque, o skatista Flávio Ascânio, de 45 anos, diz que os problemas começaram na concepção das pistas e se agravaram porque a SVMA abandonou o local.

 

Segundo ele, o projeto apresentado pela construtora que venceu a licitação para construir as pistas era "ultrapassado e perigoso". Uma comissão de skatistas sugeriu modificações. "A construtora acatou muitos conselhos, mas a licitação deveria ter escolhido alguém com experiência nesse tipo de obra."

 

Foi a Secretaria de Coordenação de Subprefeituras que escolheu e contratou a empresa que construiu o parque. Segundo o assistente de áreas verdes da Coordenação das Subprefeituras, André Graziano, a obra foi transferida para a SVMA no momento da entrega do parque. "Cabe a ela assumir o local. Esperamos que a Secretaria do Verde assuma a administração e mantenha a estrutura construída."

 

Mas a Secretaria Municipal de Esportes também está de olho nele. É dessa pasta que saem os projetos para torneios. Thiago Lobo, coordenador da área de esportes radicais da secretaria, confirma o interesse. "É uma estrutura para a prática de esportes radicais e tem mais ligação com a Secretaria de Esportes."

 

Por e-mail, a SVMA informou que os defeitos foram causados pela "ação de vândalos" - além de um dos portões ter sido arrombado, alguns equipamentos do parque foram depredados. "Isso não aconteceria se tivesse um zelador cuidando do parque", reclama Ghepardi. "Alguém para varrer as pistas, limpar os banheiros, arrumar os bebedouros", emenda Ascânio.

 

A pasta informou que a interdição momentânea foi necessária para garantir a segurança dos frequentadores. O parque deve ser reaberto no próximo domingo, com um campeonato universitário de skate. "Tomara que agora, reformado, o poder público assuma conservação e administração do parque", diz Ascânio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.