Parque da Água Branca: em obra e aberto até 22h

Reforma que estava parada por ordem da Promotoria deve ser retomada na sexta-feira; com 350 pontos de luz, nova iluminação será inaugurada hoje

Luiz Guilherme Gerbelli, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2010 | 00h00

Em reforma, o Parque da Água Branca, na zona oeste, inaugura hoje sua iluminação, com 350 pontos de luz, e horário ampliado: passa a ficar aberto até as 22 horas, quatro a mais que antes. A abertura continua às 6 horas. A direção diz que a PM fará rondas para garantir a segurança.

A iluminação faz parte do projeto de revitalização do parque, que teve parte das obras suspensa na semana passada, após a Promotoria constatar irregularidades, mas que já foram liberadas pelo Ministério Público.

Segundo o diretor do parque, José Antônio Teixeira, as duas obras que haviam sido interrompidas devem ser retomadas até sexta-feira. "Apresentamos a documentação que faltava e a obra foi liberada logo em seguida", afirmou Teixeira.

A interrupção havia ocorrido após vistoria do promotor Washington Luís de Assis, da Promotoria do Meio Ambiente. Ele constatou irregularidades na obra dos tanques do lago e na demolição de um prédio anexo a uma mina d"água. O parque tem duas nascentes, mas uma delas está praticamente seca por causa da estiagem.

Assis visitou o parque após receber 1.704 assinaturas de frequentadores que contestavam a forma como as obras estão sendo feitas, principalmente a abertura da Trilha do Pau-Brasil.

Na reclamação enviada ao Ministério Público, os frequentadores afirmaram que a reforma estava retirando boa parte das árvores do parque. Mas o Fundo Social de Solidariedade do Estado, responsável pela revitalização, descarta qualquer ameaça de desmatamento.

A direção do parque afirma ter encontrado, durante a abertura da trilha, 35 árvores com o ciclo de vida já encerrado. A Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento também coordena a reforma. A administração do parque prometeu plantar o dobro de mudas, caso seja necessário cortar as 35 árvores ameaçadas. A previsão é que todas as reformas sejam concluídas até o fim do ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.