Parentes do coronel Rodrigues serão ouvidos nesta segunda

Suspeita é que PMs ou ex-PMs ligados a grupos de extermínio ou à máfia dos caça-níqueis sejam os responsáveis

Josmar Jozino, do Jornal da Tarde,

21 de janeiro de 2008 | 09h44

O delegado-divisionário do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Marcos Carneiro Lima, disse que, nesta segunda-feira, 21, o departamento vai ouvir os familiares do coronel da PM José Hermínio Rodrigues, assassinado na última quinta-feira, na zona Norte da capital.   A suspeita do DHPP é de que o coronel Rodrigues tenha sido executado por PMs ou ex-PMs ligados a grupos de extermínio ou envolvidos com a máfia dos caça-níqueis, e de que tentativa de chacina em Diadema tem relação com assassinato de comandante da PM , responsável pela chefia do Comando de Policiamento de Área Metropolitano 3 (CPAM-3), na Zona Norte.   Até agora, 10 testemunhas já prestaram depoimento. Uma delas recebeu ameaça de morte por telefone minutos após o crime.   Em ação realizada na madrugada deste domingo, 20, foram baleados o motoboy Anderson Souza, 27 anos; o instalador, Lair Sevarolli, 19 anos; o ajudante Osmar Santos Barbosa, 24 anos; e L.G., 17 anos. A Polícia Civil sabe apenas que as vítimas foram feridas por ocupantes de um veículo.   Policiais militares levaram as vítimas para um hospital. O caso foi registrado no 1º DP de Diadema como tentativa de homicídio. Policiais da Seccional de Diadema informaram, na tarde deste domingo, que os feridos não corriam risco de morte.     Quatro baleados em Diadema   Quatro homens foram feridos com tiros de pistola 380, à 1h15 deste domingo, durante uma festa em Diadema, no ABCD. A tentativa de chacina ocorreu na Avenida São Bernardo, Jardim União. As vítimas foram internadas num hospital municipal da região.   O mesmo tipo de cápsula encontrado na ação no ABCD foi usado na chacina de sete pessoas no Tremembé, Zona Norte da Capital, na última sexta-feira, e na execução do coronel da PM José Hermínio Rodrigues, 48 anos, um dia antes, no Mandaqui, mesma região. Por isso, o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa,(DHPP) também vai fazer confronto dos materiais apreendidos para saber se a mesma arma foi utilizada nos três crimes.   O coronel prometeu punir com rigor os maus policiais. A Corregedoria da PM faz um levantamento para identificar os policiais punidos ou afastados por Rodrigues desde que ele assumiu o comando do CPAM-3, em janeiro de 2007.   PMs da Rota investigados   Policiais militares da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) são investigados por suposto envolvimento no assassinato de Diego Santos, 18 anos. O rapaz foi encontrado morto a tiros, às 8h50 deste domingo, num local conhecido como Ponte de Cumbica, Zona Sul, área do 100º DP (Jardim Herculano).   Um dia antes, a família de Diego havia prestado queixa no 100º DP sobre o desaparecimento dele e de outros dois rapazes conhecidos como José Carlos e Samuel. De acordo com parentes de Diego, no dia do sumiço, os três teriam sido abordados por PMs da Rota e acusados de roubar um veículo.   O carro foi apresentado na delegacia pelos PMs. Policiais do 100º DP informaram neste domingo que os PMs da Rota eram ouvidos, à tarde, no CPAM-10. Os policiais civis não souberam dizer se José Carlos e Samuel foram encontrados. Desde que o coronel foi assassinado, a Rota matou pelo menos cinco pessoas.

Tudo o que sabemos sobre:
ChacinaRotaDHPPMandaqui

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.