Parente de vítimas do acidente na marginal está inconformada

Em entrevista, irmã e mulher dos jovens que morreram numa colisão com um ônibus pede justiça

Da redação,

17 de março de 2008 | 16h02

Sarah Fausto Bersot, irmã de Felipe Fausto Bersot, de 19 anos, e mulher de Heber Leonardo Linares Nunes, de 25 anos, que morreram numa colisão na Marginal Tietê na madrugada desta sexta-feira, 17, está inconformada com a imprudência do motorista de ônibus da Viação Itapemirim. Segundo ela, os dois jovens seguiam de Santo Amaro, na zona sul da capital paulista, para o Jaraguá, na zona norte, e sempre pegavam a Rodovia dos Bandeirantes para cortar caminho. O ônibus, com 26 passageiros, seguia no sentido da Rodovia Ayrton Senna e acabou pegando por engano a alça de acesso à Rodovia dos Bandeirantes. Para não fazer o retorno na estrada, um quilômetro depois, o motorista José Antonio Ripardo, de 49 anos, resolveu voltar pela contramão e bateu de frente com um Ford Fiesta com os dois rapazes.  Heber Nunes, que dirigia o carro, morreu na hora. Felipe Bersot, de 19 anos, ficou ferido e chegou a ser levado ao Hospital das Clínicas pelo Corpo de Bombeiros, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. O motorista do ônibus tentou escapar, mas foi preso em flagrante e indiciado por homicídio culposo na direção de veículo automotor, tentativa de fuga do local do acidente e por trafegar em velocidade incompatível com a área. Em entrevista ao programa SPTV, da rede Globo, Sarah pediu para que seja feita justiça e lamentou a perca do marido e do irmão. "Eu espero que tenha justiça. Com certeza ele também tem família, e eu entendo que a família dele também vai sofrer, mas acho que nada se compara à dor que eu estou sentindo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.