Parelheiros, no extremo sul, chega ao circuito das galerias de arte

Trabalhos da Casa do Rosário, aberta a artistas contemporâneos, terão preços entre R$ 300 e R$ 4 mil

CAMILA BRUNELLI, O Estado de S.Paulo

01 de setembro de 2012 | 03h03

A periferia de São Paulo entra no circuito das galerias de arte a partir de hoje. Será inaugurada, às 18h, a Casa do Rosário, em Parelheiros, no extremo sul da cidade, que nasce com a proposta de levar arte feita em todo o Brasil para a periferia paulistana - e vice-versa.

A primeira exposição é Coletivo Plural, que reúne grafite e arte popular e contemporânea. Artistas como os ilustradores Helder Oliveira e Alexandre Puga e escultores como Aberaldo Santos e Antônio de Dedé terão suas obras expostas e comercializadas na galeria. Os preços das obras vão de R$ 300 a R$ 4 mil - 40% ficam com a galeria, que trabalha em parceria com os expositores. Na festa de abertura haverá apresentações de balé afro, street dance e concertos de violino e flauta. Das 22h às 24h, um DJ vai assumir o som ambiente.

A galeria vai funcionar dentro do Centro Paulus, hotel que atrai pessoas em busca de um lugar para meditar. O espaço ocupa 470 hectares de Mata Atlântica. "Aqui em Parelheiros a gente é um pouco agente social também. Eu acredito que não é só criar emprego e consciência. Tem de ter cultura", afirma o diretor da galeria, Marco Túlio Amaral.

"Em Parelheiros, 40% dos habitantes têm renda de menos de dois salários mínimos", afirmou, para demonstrar a dificuldade que a população local tem para consumir cultura. Amaral adiantou também que um dos principais projetos da casa é a adoção cultural de dez jovens, em 2013. O intuito é ensinar história da arte e técnicas artísticas. "Nosso principal objetivo é trazer a arte para a vida deles e desenvolver seu olhar."

Aos 50 anos, o mineiro Marco Túlio Amaral mora há 16 no Centro Paulus. "Esse local abrigava estudantes de uma universidade de antroposofia. Anos depois, com a mudança da escola, o hotel entrou em decadência e convidei antigos funcionários para montar uma empresa para gerir o hotel", explica. "E estamos indo muito bem."

Além das obras de arte, o visitante pode desfrutar também de almoço ou café da tarde. O almoço, preparado com 60% de ingredientes orgânicos produzidos na horta do hotel, custa R$ 24. O lanche da tarde completo, com café ou chá, suco, bolo e biscoitinho, sai por R$ 15.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.