Paralisação na TAM cria confusão em Congonhas

Uma paralisação dos chamados funcionários de rampa da TAM, que carregam bagagens e operam equipamentos em solo, foi suficiente para criar uma confusão no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Como boa parte das conexões vindas de outras regiões passa pelo terminal, o problema acabou gerando um "efeito cascata" pelo País.

O Estado de S.Paulo

23 Dezembro 2011 | 03h01

A paralisação, que afetou principalmente as primeiras horas de operação do terminal, foi descrita como um "movimento pontual". No entanto, foi suficiente para causar atrasos em mais de 50% dos voos pela manhã.

Por volta das 12h, porém, com o movimento já disperso, a situação começou a voltar ao normal. A TAM atendeu a exigências dos funcionários parados, entre elas a criação de um piso salarial de R$ 1 mil para a função de operador de equipamento.

Às 17h, o índice de atrasos em Congonhas ainda era de 46%, por causa dos problemas registrados pela manhã, segundo a Infraero.

Ainda ontem, o Procon de São Paulo autuou as empresas TAM e Gol por não fornecerem todas as informações necessárias aos passageiros, em caso de atraso. "Mais uma vez, as empresas deixaram de atender o direito mais básico do consumidor, que é o da informação", disse, por meio de nota, o diretor executivo do órgão, Arthur Góes. As empresas terão 15 dias para se defender nos processos administrativos. A multa pode variar entre R$ 400 e R$ 6 milhões. / F.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.