Paralisação de trens causa tumulto do Rio

Uma pane em um trem da SuperVia no subúrbio do Rio, às 7h10 de ontem, causou protestos dos usuários. Um problema no sistema de frenagem da composição, que seguia do município de Queimados para a Central do Brasil, interrompeu a viagem perto da Estação Sampaio, na zona norte.

HELOISA ARUTH STURM / RIO, O Estado de S.Paulo

10 de fevereiro de 2012 | 03h08

Os passageiros foram obrigados a desembarcar na linha férrea, e uma locomotiva foi deslocada até o local para rebocar o veículo com defeito. Houve tumulto entre usuários do sistema e agentes da concessionária, e o Núcleo de Polícia Ferroviária (NPFer) foi acionado.

Policiais foram apedrejados e alguns passageiros ficaram feridos. Os trens na mesma conexão foram impedidos de seguir viagem, e milhares de passageiros ficaram sem transporte.

Por meio de nota, a SuperVia afirmou que "um grupo de passageiros ameaçou o maquinista, obrigando-o a seguir viagem até a Central do Brasil, impedindo dessa forma que o procedimento fosse realizado com segurança". Durante o trajeto de quase 9 km entre as Estações Sampaio e Central do Brasil, a locomotiva trafegou superlotada e com as portas abertas, e muitos passageiros seguiram do lado de fora dos vagões.

As Estações Méier, Engenho Novo, Sampaio e Riachuelo foram fechadas por medida de segurança. Na Deodoro, painéis foram depredados. Na Central do Brasil, o tumulto levou comerciantes a fechar as portas e o Batalhão de Choque foi acionado. Policiais usaram pistolas de choque elétrico e lançaram bombas de efeito moral para dispersar os manifestantes. Um homem foi detido por furtar uma televisão de LCD.

Após a normalização do serviço, por volta das 10h, a PM e a Guarda Municipal permaneceram na Central do Brasil para evitar novos conflitos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.