Divulgação
Divulgação

Paraitinga vai ganhar biblioteca moderna ''com jeito antigo''

Parte do projeto de reconstrução da cidade, prédio fica pronto em 1 ano e terá características de obras históricas

Vitor Hugo Brandalise, O Estado de S.Paulo

01 Julho 2011 | 00h00

A cidade histórica de São Luiz do Paraitinga, devastada pelas chuvas de janeiro de 2010, ganhará uma biblioteca pública - dentro do projeto de reconstrução do município, a 140 quilômetros de São Paulo. O novo prédio será semelhante a construções dos séculos 18 e 19.

As obras da biblioteca, a cargo do governo do Estado, começam na semana que vem. O investimento total será de R$ 1,4 milhão, conforme contrato publicado anteontem no Diário Oficial do Estado. O contrato prevê que a obra fique pronta em 12 meses.

O novo prédio terá 930 metros quadrados e seguirá o conceito da Biblioteca de São Paulo, no Carandiru, apontada como "modelo" no Estado - ambiente moderno, com estantes baixas, semelhante às de livrarias.

Na biblioteca de São Luiz (ainda sem nome) haverá salas de música e cinema. Também estão previstos auditório e salas para oficinas. Uma praça integrada de 500 metros quadrados será construída, com espaço para projeções de filmes ao ar livre.

"Será um equipamento diferente do que existia na cidade antes, bem mais moderno, e que seguirá o modelo que queremos implementar no Estado todo", disse o secretário de Estado da Cultura, Andrea Matarazzo.

A biblioteca terá acervo de 5 mil itens (livros, DVDs, CDs, audiolivros e revistas), também comprados pelo governo do Estado. O novo prédio ficará no lugar de uma antiga escola, destruída pelas chuvas de 2010.

"O prédio lembrará as construções históricas, mas não tentará se passar por elas. Ficará evidente que se trata de um prédio novo", explicou a arquiteta Lara Melo Souza, uma das autoras do projeto. "O uso da antiga biblioteca será respeitado. Era um lugar de estudo para a rede pública da cidade e, por isso, haverá amplas salas de leitura."

Reconstrução. Com as chuvas de janeiro de 2010, o Rio Paraitinga subiu dez metros, arrastando construções históricas. Outras duas obras ficarão a cargo do governo do Estado. O projeto de reconstrução da Igreja Matriz será feito por meio de convênio com a Mitra de Taubaté - R$ 12 milhões foram reservados para as obras. O prédio da prefeitura também será reconstruído e passa por processo de licitação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.