Paraisópolis segue com trânsito tranquilo e ônibus operando

Durante conflito à noite, moradores fizeram barricadas, bloqueando algumas vias, que já foram liberadas

Da Redação, estadao.com.br

03 Fevereiro 2009 | 08h25

A situação estava tranquila na região de Paraisópolis, na zona sul da capital paulista, depois de uma noite de conflitos entre moradores e policiais militares. Segundo a CET, por volta das 8h desta terça, 3, não havia nenhuma via interditada e o trânsito fluía normalmente pelas ruas.   Veja também: Sobe para 6 número de feridos em confronto em Paraisópolis Polícia libera detidos durante conflito em Paraisópolis Polícia relaciona morte de traficante a protesto em favela Moradores e PMs se confrontam na favela Paraisópolis, em SP  TV Estadão - O confronto com a PM  Galeria de fotos do confronto em Paraisópolis   Todas as linhas de ônibus que fazem itinerário em ruas do entorno da favela são operadas normalmente segundo a São Paulo Transportes (SPTrans).         Por determinação do secretário de Segurança Pública, Ronaldo Marzagão, a Polícia Militar ocupou a favela de Paraisópolis com cerca de 60 viaturas, 120 soldados policiais militares, além de 11 viaturas do Corpo de Bombeiros a fim de conter a criminalidade no local.   Motivado pela morte de um membro da favela pela polícia no domingo, moradores entraram em confronto com os PMs, montando barricadas, destruindo e ateando fogo em diversos veículos e pedaços de madeira e depredando estabelecimentos.   Por causa do confronto durante a noite, muitos ônibus não tiveram como passar pelas ruas próximas da favela. A confusão terminou com um saldo de seis feridos, sendo quatro PMs e dois moradores, atingidos por balas de borracha.   A PM desfez as barricadas montadas nas vias da favela, entre elas a Rua Doutor Francisco Tomás de Carvalho. Nove pessoas foram detidas - seis adultos e três menores - sendo liberadas em seguida. O tumulto foi controlado e 120 soldados permanecem no local para evitar novos protestos.

Mais conteúdo sobre:
ParaisópolisPolíciaconfronto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.